PUBLICIDADE
Topo

Cotidiano

Conteúdo publicado há
1 mês

Pajens caninos: Padre encerra casamento após ver cães com alianças no CE

O cão Scooby, resgatado pelo casal após ser atropelado, foi o pajem do casamento - Arquivo Pessoal
O cão Scooby, resgatado pelo casal após ser atropelado, foi o pajem do casamento Imagem: Arquivo Pessoal

Anahi Martinho

Colaboração para o UOL, em São Paulo

20/05/2022 04h00

Um padre de Nova Olinda (CE) se recusou a dar a bênção final de um casamento após dois cachorros entrarem na igreja levando as alianças. O caso vem provocando polêmica e dividindo opiniões na região.

Em entrevista ao UOL, a noiva, Brenda Jamilli, 18, afirmou que sentiu "muita tristeza" quando ouviu as palavras do padre, durante a cerimônia realizada no último sábado (14): "Isso é o cúmulo, dois animais entrando na igreja com as alianças. É inadmissível", teria dito o religioso.

Segundo ela, logo após a entrada dos animais, o padre fechou a cara e encerrou a celebração sem a dar a bênção final, na qual tradicionalmente se diz: "Eu vos declaro marido e mulher. Pode beijar a noiva".

"Apenas assinamos o livro e ele deu as costas. Nos sentimos envergonhados, fracos, não tivemos ação nem de reagir na hora", contou a balconista.

Embora o padre César Retrão, da Paróquia São Sebastião, tenha achado "inadmissível" a entrada dos cães, os noivos afirmam que tinham autorização prévia da secretaria paroquial para levar os animais.

Os noivos Brenda e Eliwelton, ativistas da causa animal - Arquivo Pessoal - Arquivo Pessoal
Os noivos Brenda e Eliwelton, ativistas da causa animal
Imagem: Arquivo Pessoal

Brenda e o marido, Eliwelton Silva, 24, são membros do Instituto Lilica, que acolhe animais de rua e encaminha para adoção.

Os vira-latas Pipoca e Scooby, que levaram as alianças, foram resgatados pela ONG e adotados pelo casal. Eles estavam vestindo roupinhas "black-tie" e foram guiados em coleiras por parentes dos noivos.

Os dois animais foram recuperados após maus-tratos e atropelamentos e ambos têm deficiências: Pipoca é cega e Scooby só anda com três patas.

"Sou protetora da causa animal, luto pelo bem dos animais, luto para eles serem bem-vindos em qualquer lugar. Os seres mais puros da terra são os animais; e Pipoca e Scooby definem o amor, a pureza, a inocência", disse Brenda sobre a escolha dos cães como "pajens".

Em nota, o Instituto Lilica afirmou que o padre César Retrão já ajudou a entidade diversas vezes e que é "um sacerdote íntegro", mas que foi "angustiante a surpresa do repúdio em meio à cerimônia".

"Ao nosso entender, como cristãos, o amor estava ali representado", diz a nota.

A diocese do Crato afirmou que fará uma reunião com o bispo e o Colégio de Consultores para tratar sobre o assunto.

Brenda afirma que chegou a procurar o padre César para conversar durante a semana, mas que a casa paroquial estava fechada.

A cachorrinha Pipoca, que é cega, foi a daminha do casamento - Arquivo Pessoal - Arquivo Pessoal
A cachorrinha Pipoca, que é cega, foi a daminha do casamento
Imagem: Arquivo Pessoal

Cotidiano