PUBLICIDADE
Topo

Cotidiano

Conteúdo publicado há
1 mês

Carros de chefe do PCC avaliados em R$ 12 milhões são apreendidos em SP

Carro de luxo apreendido em operação no interior de SP - Divulgação/Polícia Civil de São Paulo
Carro de luxo apreendido em operação no interior de SP Imagem: Divulgação/Polícia Civil de São Paulo

Do UOL, em São Paulo

28/06/2022 13h05Atualizada em 28/06/2022 13h05

Cerca de R$ 12 milhões em veículos de luxo foram apreendidos em São Paulo pela Polícia Civil em uma operação contra pessoas ligadas a João Aparecido Ferraz Neto, conhecido como João Cabeludo, um dos traficantes mais procurados do Brasil.

Entre as imagens divulgadas pela corporação, está a de uma Mercedes-AMG GT R personalizada em verde, que tem um valor de mercado de cerca de R$ 2 milhões. Além dela, também foram apreendidos carros da Porsche e Toyota.

Apenas Mercedes tem valor acima de R$ 2 milhões no mercado  - Divulgação/Polícia Civil de São Paulo - Divulgação/Polícia Civil de São Paulo
Carro de luxo apreendido na operação Dalila
Imagem: Divulgação/Polícia Civil de São Paulo

João Cabeludo é um traficante ligado à facção Primeiro Comando da Capital (PCC). As investigações da Polícia Civil contra o esquema ligado a ele levaram oito meses e resultaram em cerca de 50 mandados de busca e apreensão em todo o estado, realizadas ontem.

A "Operação Dalila" atacou uma estrutura formada pelos familiares e laranjas usados pelo criminoso, que lavavam dinheiro por meio de empresas fantasmas, segundo comunicado da corporação.

Além do valor em veículos de luxo, outros R$ 40 milhões em imóveis também foram apreendidos, além de joias — que não tiveram os valores informados pela polícia.

João Cabeludo já foi condenado por inúmeros crimes, somando uma pena que ultrapassa os 500 anos de prisão. A suspeita da polícia é de que ele esteja foragido na Bolívia.

Os carros do traficante foram apreendidos em São José dos Campos, mas outros bens foram alvo de mandados em mais 11 municípios do estado. A Polícia Civil informou que o valor total será contabilizado apenas após o bloqueio de CPFs e CNPJs dos envolvidos no esquema.

Cotidiano