Topo

Conteúdo publicado há
10 meses

Chavoso da USP e amigo relatam agressão da PM na Virada: 'Chutes e socos'

Do UOL, em São Paulo

29/05/2023 14h12Atualizada em 29/05/2023 14h59

O youtuber Thiago Torres, conhecido como Chavoso da USP, disse ter sido agredido pela Polícia Militar de São Paulo junto a um amigo durante um show na Virada Cultural ontem. Ambos são negros.

O que diz Chavoso?

Thiago Torres escreveu nas redes que ele e o amigo foram "enquadrados e espancados" por três agentes, e que o colega teria sido "torturado" e "enforcado" por portar um cigarro de maconha. Antes da abordagem, os dois assistiam e gravavam ao show de Emicida no palco Brasilândia, no bairro do Limão, zona norte de São Paulo.

A ação durou cerca de 25 minutos, e ambos teriam sido agredidos com chutes, socos e empurrões. O blusão de um deles foi rasgado na ação.

Em um vídeo publicado no Instagram, é possível ouvir xingamentos que seriam do policial dirigidos ao amigo de Thiago. Em seguida, há o som de uma roupa sendo rasgada.

"Você quer ficar de graça comigo? Quem te autorizou gravar? Você gravou o quê? Esse celular é seu?", diz um suposto policial em um registro feito pelo youtuber. "Falei que não ia mostrar, e que tinha o direito de gravar", explicou Thiago em um vídeo publicado pelo colega Guilherme, identificado no Instagram como MC Guih da Norte.

"Nós estávamos curtindo suave, tudo tranquilo, tudo daora", disse MC Guih da Norte nas redes sociais, completando que outras pessoas também faziam uso de maconha no local, incluindo pessoas brancas, mas que estes não tinham sido abordados pela polícia.

Segundo o Chavoso da USP, ambos só foram liberados após ele afirmar que era youtuber. "Falou que ia me forjar. Falou assim: 'Hoje você vai para a cadeia, você vai ser preso. [...] E eu falei lá que eu era youtuber, falei: 'pode colocar aí no Google'. Aí ele mandou nós ficar de costas, acho que ele ter feito isso, e aí foi aí que ele liberou nós", relatou o youtuber.

Thiago Torres afirmou que os policiais não tinham distintivos com os respectivos nomes. Ao UOL, o youtuber e ativista ainda disse que ele e o colega não apresentaram queixa formal contra os policiais também por não ter como identificá-los.

O que diz a polícia?

O UOL questionou a Secretaria de Segurança Pública a respeito do caso do youtuber, bem como sobre as orientações para a polícia para os shows da Virada Cultural. A reportagem também perguntou se os policiais que participavam da ronda da Virada usavam câmeras corporais.

A SSP encaminhou a seguinte nota:

O Comando de Policiamento atua para identificar os policiais envolvidos na ação relatada para esclarecimento dos fatos. A Corregedoria da Polícia Militar está à disposição para que o jovem formalize sua denúncia.