Conteúdo publicado há 21 dias

Esposa de fisiculturista obteve medida protetiva contra ele antes de morrer

Marcela Luise de Souza Ferreira pediu uma medida protetiva contra o marido, Igor Porto, anos antes de morrer. O homem, que é fisiculturista, está preso por suspeita de feminicídio desde a sexta (17).

O que aconteceu

Medida protetiva foi concedida a ela em dezembro de 2020. A decisão foi emitida pelo Tribunal de Justiça do Distrito Federal e dos Territórios.

Vítima voltou atrás um mês depois. Procurada por telefone pela Justiça em janeiro de 2021, Marcela disse que não tinha interesse em manter a medida protetiva. A informação consta em um documento obtido pelo UOL.

À Justiça, Marcela informou que tinha reatado o relacionamento com Igor. Ela também informou que não se sentia mais ameaçada por ele, segundo relato apresentado ao juiz em documento.

Mulher foi socorrida com oito costelas quebradas e traumatismo craniano

Igor levou Marcela ao hospital de Goiânia alegando que ela caiu da própria altura, informou a Polícia Civil. O socorro foi registrado em 10 de maio. A mulher passou 10 dias em coma antes de morrer.

A equipe da unidade de saúde desconfiou dos ferimentos de Marcela. A polícia foi acionada e, diante do histórico de violência do homem, inclusive contra uma ex-namorada, o prendeu preventivamente.

Nas redes sociais, ele se apresentava como nutricionista e coach fitness. O perfil dele, com mais de 12 mil seguidores, foi fechado no último domingo.

O UOL buscou a defesa de Igor. O espaço será atualizado tão logo haja posicionamento.

Continua após a publicidade

Em caso de violência, denuncie

Ao presenciar um episódio de agressão contra mulheres, ligue para 190 e denuncie.

Casos de violência doméstica são, na maior parte das vezes, cometidos por parceiros ou ex-companheiros das mulheres, mas a Lei Maria da Penha também pode ser aplicada em agressões cometidas por familiares.

Também é possível realizar denúncias pelo número 180 — Central de Atendimento à Mulher — e do Disque 100, que apura violações aos direitos humanos.

Deixe seu comentário

Só para assinantes