Trump rompe tradição de 20 anos e não faz jantar para muçulmanos

Colaboração para o UOL

  • Reprodução/939 the beat

Pela primeira vez em 20 anos, a Casa Branca decidiu não fazer um jantar em comemoração ao fim do Ramadã, o mês santo islâmico, em que os muçulmanos cumprem jejum entre o nascer e o pôr do sol.

Ao invés disso, o presidente Donald Trump e a primeira-dama Melania Trump emitiram uma declaração no sábado que desejava "saudações calorosas" para aqueles que comemoravam o Eid al-Fitr, um feriado importante que marca o fim do Ramadã.

"Os muçulmanos nos Estados Unidos se juntaram aos de todo o mundo durante o mês sagrado do Ramadã para se concentrar em atos de fé e de caridade", disseram. "Agora, ao comemorar o Eid com familiares e amigos, eles continuam a tradição de ajudar os vizinhos e quebrar o pão com pessoas de todos os setores".

Por não organizar o jantar, Trump quebrou com uma tradição anual que sempre era realizada nas últimas três administrações nos Estados Unidos. Os jantares começaram com o presidente Bill Clinton. E os presidentes George W. Bush e Barack Obama deram continuidade.

Os jantares também eram frequentados por membros proeminentes da comunidade muçulmana, além de integrantes do Congresso e diplomatas de países muçulmanos.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos