PUBLICIDADE
Topo

Internacional

A meses da eleição, México tem 82 políticos assassinados em disputa mais sangrenta da história

20.nov.2017 - Local onde o candidato a prefeito Santana Cruz Bahena foi assassinado - Angel Hernandez/Reuters
20.nov.2017 - Local onde o candidato a prefeito Santana Cruz Bahena foi assassinado Imagem: Angel Hernandez/Reuters

Lizbeth Díaz

Da Reuters, em Ciudad Juárez (México)

01/05/2018 04h00

Magda Rubio tinha acabado de lançar sua campanha para prefeita de uma pequena cidade no norte do México, quando uma voz de causar calafrios soou em seu celular: "Desista", advertiu o interlocutor, "ou será morta."

Foi a primeira de quatro ameaças de morte que Rubio disse ter recebido desde janeiro, do mesmo homem anônimo, de fala culta. Ela continuou na corrida em Guachochi, situada em uma região montanhosa de Chihuahua que é uma das principais rotas do tráfico de heroína. Mas dois guarda-costas armados hoje a acompanham 24 horas por dia.

"Às 2 da manhã você começa a ficar assustada e diz: 'Algo ruim está acontecendo aqui'", disse ela.

A candidata Magda Rubio recebeu diversas ameaças de morte - Jose Luis Gonzalez/Reuters - Jose Luis Gonzalez/Reuters
A candidata Magda Rubio recebeu diversas ameaças de morte
Imagem: Jose Luis Gonzalez/Reuters

Uma explosão de assassinatos políticos no México projetou uma sombra nas eleições nacionais marcadas para 1º de julho, quando os eleitores escolherão o próximo presidente e também preencherão uma série de cargos secundários.

Pelo menos 82 candidatos e ocupantes de cargos foram mortos desde o início da temporada eleitoral, em setembro, fazendo desta a mais sangrenta disputa presidencial na história recente, segundo um cálculo da Etellekt, uma consultoria de segurança baseada na Cidade do México, e pesquisas da Reuters.

Quatro foram mortos em apenas uma semana. Eles incluem Juan Carlos Andrade Magana, que disputava a reeleição como prefeito do povoado de Jilotlan de los Dolores, localizado no estado de Jalisco, no oeste do México. Seu corpo crivado de balas foi encontrado na manhã de domingo em seu Toyota Prius na periferia da cidade; Andrade tinha participado de um enterro. Os promotores do estado estão investigando, mas não fizeram prisões.

Traficantes disputam influência local

As vítimas são de diversos partidos políticos, grandes e pequenos, e a maioria disputava cargos locais muito distantes da atenção nacional. Quase todos foram alvo de tiros. A maioria dos casos continua sem solução, e os motivos dos assassinos são obscuros.

Mas especialistas em segurança suspeitam que os bandos de traficantes de drogas estão causando a maior parte da sangria. Com um recorde de cerca de 3.400 cargos abertos, na maioria locais, para a eleição de julho, os cartéis em guerra do México parecem disputar a influência nas prefeituras de todo o país, segundo Vicente Sánchez, professor de administração pública no Colegio de la Frontera Norte, em Tijuana.

Ele disse que os barões do crime estão procurando instalar deputados amigos, eliminar rivais e assustar os possíveis reformistas que possam prejudicar os negócios. Os governos locais são uma fonte de contratos lucrativos e de propinas, enquanto as forças policiais podem ser pressionadas a servir aos cartéis.

Os bandos criminosos querem ter certeza de que no próximo governo eles poderão manter suas redes de poder, e por isso estão aumentando os ataques."

Vicente Sánchez, analista

As autoridades eleitorais advertiram que o banho de sangue poderá afetar o comparecimento dos eleitores em certas áreas. O surto de mortes surpreendeu até observadores veteranos que o consideram um ataque à democracia e ao Estado de direito no México.

"As autoridades estaduais e locais estão carentes de armas e de homens, e as forças federais não podem estar em todo lugar", disse Duncan Wood, diretor do Instituto do México no Centro Internacional Woodrow Wilson para Estudiosos, em Washington. "Há uma necessidade urgente (...) de oferecer mais proteção e isolamento contra o crime organizado."

Os líderes mexicanos estão se esforçando para montar uma resposta. Os governos federal e estaduais estão fornecendo aos candidatos guarda-costas e, em alguns casos, veículos blindados. Mas as medidas se mostram insuficientes de modo geral, pois o número de mortes continua crescendo.

20.nov.2017 - Policiais protegem local onde candidato a prefeito Santana Cruz Bahena foi assassinado, em Hidalgotitlan, no México - Angel Hernandez/Reuters - Angel Hernandez/Reuters
20.nov.2017 - Policiais protegem local onde candidato a prefeito Santana Cruz Bahena foi assassinado, em Hidalgotitlan, no México
Imagem: Angel Hernandez/Reuters

Tréguas frágeis

As sementes do caos atual foram plantadas há mais de uma década, quando o governo mexicano, apoiado pelos EUA, decidiu cortar as cabeças dos principais cartéis de drogas do país.

A estratégia teve sucesso em derrubar chefões como Joaquín "El Chapo" Guzmán, o antigo chefe do famoso cartel de Sinaloa, que hoje está em uma prisão de Nova York aguardando julgamento.

Mas a repressão partiu os grupos de crime organizado em dezenas de gangues rivais. Os recém-chegados aumentaram a selvageria para intimidar os adversários, assim como a polícia e funcionários públicos que pudessem incomodá-los.

Joaquín "El Chapo" Guzmán, antigo chefe do cartel de Sinaloa está preso nos EUA - U.S. officials/Divulgação - U.S. officials/Divulgação
Joaquín "El Chapo" Guzmán, antigo chefe do cartel de Sinaloa está preso nos EUA
Imagem: U.S. officials/Divulgação

Um membro de uma gangue no estado de Jalisco, que falou à Reuters sob a condição do anonimato, explicou como seu cartel garante que as autoridades locais os avisem antecipadamente das ações policiais.

"Se não o fizerem, haverá atrito", disse ele, um eufemismo para uma bala.

A violência pré-eleitoral bateu com força especial no estado de Guerrero, no sudoeste do México, onde pelo menos oito candidatos a cargos locais foram assassinados nos últimos seis meses. Cartéis com nomes como Los Ardillos (os esquilos) e Los Tequileros (os bebedores de tequila) estão lutando lá por esquemas de extorsão e controle de contrabando de heroína e cocaína.

O bispo católico Salvador Rangel visitou a cidade de Chilapa no início de abril para forjar uma trégua pré-eleitoral entre as facções inimigas e conter a matança.

Não durou muito. Em poucos dias, o chefe de polícia de Chilapa, Abdón Castrejón Legideno, foi morto a tiros durante uma patrulha. Um porta-voz do estado de Guerrero disse em um comunicado que as autoridades detiveram um suspeito encontrado com uma pistola 9mm perto do local do crime.

A contagem crescente de cadáveres foi um marco para o Partido Revolucionário Institucional (PRI) e seu profundamente impopular porta-estandarte, o presidente Enrique Peña Nieto. O líder mexicano falou pouco em público sobre a série de assassinatos políticos.

O partido deverá se sair mal na eleição em julho. Peña Nieto está proibido de um segundo mandato pela Constituição do país. O candidato do PRI para substituí-lo, José Antonio Meade, está muito atrás dos primeiros colocados nas pesquisas.

A segurança está entre as maiores preocupações dos eleitores. O México divulgou um recorde de 29 mil homicídios no ano passado, atribuídos principalmente ao crime organizado e às consequências da guerra às drogas.

México teve recorde de 29 mil homicídios no ano passado - Ronaldo Schemidt/AFP Photo - Ronaldo Schemidt/AFP Photo
México teve recorde de 29 mil homicídios no ano passado
Imagem: Ronaldo Schemidt/AFP Photo

"Coiote cuidando da galinha"

Alguns candidatos políticos contatados pela Reuters não quiseram comentar ou ser identificados por medo de represálias.

Mas no estado de Chihuahua a candidata a prefeita Rubio fala sobre as ameaças de morte contra ela, esperando que a publicidade incentive a polícia a cuidar de seu caso e deter qualquer suposto atacante.

Rubio, 42, viajou para encontrar a Reuters na maior cidade do estado, Ciudad Juárez, vinda de El Paso, do outro lado da fronteira americana. Seu marido e os quatro filhos a acompanharam, mas ela pediu que nenhuma informação sobre eles fosse revelada, por temer riscos à sua segurança.

Uma advogada e ativista dos direitos humanos, Rubio disse que disputa como independente para estimular o governo a fazer mais por sua região e pela pobre população indígena raramuri. Ela suspeita que quem a ameaçou não está interessado em mudanças.

Sua pequena cidade de Guachochi fica no centro do chamado Triângulo Dourado, que ocupa áreas dos estados de Chihuahua, Sinaloa e Durango, uma região cheia de plantações de maconha e campos de flores de papoulas rosa e vermelhas, que produzem ópio.

Rubio disse que sofreu ataques de pânico desde que o homem começou a ameaçá-la por telefone.

Eles disseram: 'Estamos vigiando você. Está na hora de você ir'."

Magda Rubio

Dois policiais locais agora a acompanham, mas Rubio disse que não descansa com facilidade. Os cartéis têm um dom para se infiltrar nos detalhes de segurança como "um coiote cuidando da galinha", disse ela.

Apesar dos riscos, ela disse que quer mostrar a seus filhos e a outras mulheres que as instituições do México podem funcionar.

"Eu não desisto. Estou aqui porque quero que meu país mude", afirmou.

Rapper confessa ter dissolvido corpos de três estudantes em ácido no México

Band News

Internacional