PUBLICIDADE
Topo

Encontraram os 13 presos na caverna na Tailândia, mas o drama ainda está na metade

Do UOL, em São Paulo*

02/07/2018 16h01

Doze jovens jogadores de futebol e seu técnico, há nove dias presos em um complexo de cavernas inundado da Tailândia, foram enfim localizados nesta segunda-feira (2) por equipes de resgate. A resolução do problema, no entanto, está apenas na metade. Após nove dias de busca, resta agora as autoridades tailandesas retirarem os meninos da caverna, em meio à água das chuvas, cada vez mais intensas. 

"Nós os encontramos a salvo, mas a operação ainda não acabou", disse à imprensa o governador da província Chiang Rai, Narongsak Osaranakorn.

Os mergulhadores envolvidos no resgate passaram a maior parte da segunda-feira nos últimos esforços para encontrar os meninos com idade entre 11 e 16 anos e o técnico da equipe de 25 anos. Eles desapareceram no dia 23 de junho quando saíram para uma expedição no complexo de cavernas e ficaram presos devido às chuvas. 

Segundo Narongsak, os mergulhadores encontraram a equipe a mais de 300 metros adiante da parte mais alta da caverna - e onde se acreditava que eles teriam buscado abrigo. 

"Após os médicos avaliarem a saúde dos meninos, para ver se estão em boas condições, vamos cuidar deles até que estejam fortes o suficiente para se deslocarem por conta, e apenas depois vamos avaliar a situação para tirá-los de lá", disse o governador. 

O especialista em cavernas norte-americano Anmar Mirza disse à AP que restam ainda muitos desafios às equipes de resgate. Segundo ele, a decisão a se tomar agora é se as equipes vão já evacuar os meninos e o técnico ou se vão primeiro cuidar deles no local em que estão isolados. 

"Fornecer suprimentos para eles no local pode ser bastante difícil, dependendo do nível necessário para os mergulhos", disse Mirza. "Por outro lado, tentar escoltar não mergulhadores pelas cavernas pode ser uma das situações mais perigosas possíveis, ainda que os mergulhos sejam relativamente fáceis."

As equipes de resgate são formadas pela marinha tailandesa, além de mergulhadores profissionais de diferentes partes do mundo. Algumas das passagens entre as cavernas são extremamente estreitas, o que dificulta ainda mais os trabalhos. Não só os socorristas têm que passar por esses caminhos, mas também tanques de oxigênio necessários para os mergulhos. 

Além disso, as autoridades também tentam dar vazão à grande quantidade de água e buscam encontrar saídas alternativas pelos túneis, como fissuras escondidas.  

"São condições bastante desafiadoras e estamos todos muito preocupados com a segurança", disse a capitã da força aérea dos Estados Unidos, Jessica Tait, que auxilia nas buscas. "Posso dizer que sim, o mais correto a se dizer é que se trata de uma situação bastante desafiadora." (*Com informações da AP)