PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Japonesa de 116 anos é declarada a pessoa mais velha do mundo, diz Guinness

Kyodo/Reuters
Imagem: Kyodo/Reuters

Do UOL*, em São Paulo

09/03/2019 13h00

A japonesa Kane Tanaka, de 116 anos, amante das matemáticas e que considera que o melhor momento de sua vida é "agora", foi confirmada como a pessoa mais idosa viva do mundo, anunciou o Guinness, organização que registra recordes no mundo, neste sábado (9).

Kane nasceu em 2 de janeiro de 1903, ano em que os irmãos Orville e Wilbur Wright fizeram o primeiro voo motorizado da história, início da aviação moderna.

Sua proclamação oficial como decana da humanidade foi celebrada no lar para idosos onde vive, em Fukuoka, no oeste do Japão. A cerimônia contou com a presença do prefeito da cidade, Soichiro Takashima.

Quando lhe perguntaram qual o momento mais feliz de sua vida, ela respondeu: "agora".

Casada em 1922 com Hideo Tanaka, teve quatro filhos e adotou um quinto. Costuma acordar às seis da manhã. À tarde, estuda Matemática, sua diversão, como disse. Ela também pratica caligrafia. 

"Um de seus passatempos favoritos é o Reversi (Othello). Ela se tornou uma especialista nesse jogo de tabuleiro e costuma ganhar do pessoal da casa", acrescenta a organização do Guinness.

Conhecido pela alta expectativa de vida de seus habitantes, o Japão pode ser orgulhar de ser o país com a população mais longeva, incluindo Jiroemon Kimura, que faleceu em junho de 2013, aos 116 anos, e que ostenta o recorde de longevidade masculina.

Antes de Tanaka assumir o posto, a mulher mais velha do mundo era a outra japonesa: Chiyo Miyako, falecida em julho passado, aos 117 anos de idade. Outro japonês, Masazo Nonaka, era o homem mais velho, com 113 anos. Ele faleceu em janeiro.

Segundo o Guinness, o recorde de longevidade --para homens e mulheres-- oficialmente comprovado é da francesa Jeanne Calment, falecida em 1997, aos 122 anos e 164 dias. Pesquisadores russos questionaram esse marco, recentemente, sem conseguirem convencer especialistas franceses, que examinaram o caso em janeiro passado.

(Com AFP e ANSA)

Leitura durante a vida pode melhorar memória para a velhice

Band Notí­cias

Internacional