Topo

Tiros na cabeça e música: o que mostra o vídeo do atirador da Nova Zelândia

Trecho do vídeo feito pelo atirador durante ataque a mesquita na Nova Zelândia - Reprodução
Trecho do vídeo feito pelo atirador durante ataque a mesquita na Nova Zelândia Imagem: Reprodução

Nathan Lopes

Do UOL, em São Paulo

15/03/2019 10h51

O ataque terrorista a uma das duas mesquitas que foram alvo na sexta-feira de atiradores na Nova Zelândia teve toda a ação filmada por um dos suspeitos. Identificado pelas autoridades locais como Brenton Tarrant, australiano de 28 anos, ele utilizou uma câmera acoplada ao capacete que utilizava para registrar sua ação na mesquita de Al Noor, na cidade de Christchurch.

O vídeo foi transmitido ao vivo por Tarrant nas redes sociais. As autoridades da Nova Zelândia já solicitaram que ele seja retirado do ar. Segundo as autoridades, 41 das 49 vítimas fatais nos atentados foram mortas em Al Noor.

A transmissão teve cerca de 17 minutos de duração. O atirador começa o vídeo dentro de um carro branco, no qual há armas espalhadas pelo assoalho. Ele acopla a câmera ao capacete e começa a dirigir até a mesquita de Al Noor com a ajuda de um GPS. Ele ouve músicas --algumas com temática militar-- no trajeto.

O atirador dirigiu por dois minutos e 40 segundos, quando encosta o veículo, tira o capacete e exibe seu rosto na transmissão. Tarrant, então, fica parado, com as mãos no volante, por cerca de um minuto, até que volta a dirigir.

Reprodução
Imagem: Reprodução
Um minuto e meio depois, Tarrant estaciona o carro perto da mesquita. E desce já com uma arma na mão. O atirador desce do carro e pega uma outra arma, que estava no porta-malas do veículo. Com as armas nas mãos, ele caminha, ignora a presença de duas pessoas na frente da mesquita e só começa a atirar quando chega na porta de entrada da mesquita.

Ao passar pela porta, são vistos corpos estendidos e de uma pessoa ferida rastejando pelo corredor, tentando ficar longe do atirador. Ele a mata com uma rajada de tiros. O atirador continua efetuando disparos ao longo do caminho dentro da mesquita.

Ele chega a recarregar a arma --que possui inscrições em branco que não puderam ser identificadas pela reportagem-- por quatro vezes, tendo atirado por dois minutos seguidos, sempre voltando a um salão da mesquita.

Reprodução
Imagem: Reprodução
Na sequência, ele deixa a mesquita. Na rua, o terrorista passa a atirar sem alvo específico. Depois de 30 segundos, ele volta ao carro e troca de arma, semelhante e que também possuía inscrições. Ele chega a manusear um galão vermelho, mas o deixa para trás. De volta à rua, faz novos disparos.

Logo em seguida, ele retorna à mesquita e volta ao mesmo salão onde efetuou a maioria dos tiros. O atirador passa a disparar contra os corpos das pessoas que já haviam sido assassinadas. Em um lado, estavam cerca de 20 corpos amontoados. Do outro lado, entre 10 a 15 pessoas. A maioria delas leva tiros na cabeça, mesmo estando com os corpos inertes.

De repente, ele nota pessoas se movimentando em direção à rua. O atirador deixa a mesquita e acerta uma delas, que cai na sarjeta. A vítima pede por socorro. "Me ajudem! Me ajudem! Me ajudem! Me ajudem! Me ajudem!", disse, em inglês, por cinco vezes, antes de ser executada, com tiro na cabeça, pelo atirador.

Ataques a mesquitas deixam dezenas de mortos na Nova Zelândia

AFP

Depois, ele volta ao carro, que estava estacionado perto do local em que matou a última vítima. Liga o som e volta a dirigir. Ao mesmo tempo, ele mexe em um aparelho de GPS que está no carro. O atirador para o carro novamente e começa a recarregar a arma. Ele, então, volta a acelerar o veículo e começa a efetuar alguns disparos ao longo do trajeto.

Ele faz comentários sobre a ação, mas não há como saber se outra pessoa estava com o atirador dentro do veículo. "Não havia nem tempo para mirar, havia tantos alvos", disse o atirador, citando que havia muitas pessoas no local.

Cerca de dois minutos antes do fim da transmissão, sirenes de ambulâncias são ouvidas pela primeira vez. O vídeo é interrompido com o carro em movimento.

Mais Internacional