Topo

Bolsonaro manifesta "profundo pesar" por incêndio; líderes se solidarizam

Do UOL*, em São Paulo

2019-04-15T17:09:05

2019-04-16T00:10:12

15/04/2019 17h09Atualizada em 16/04/2019 00h10

O presidente Jair Bolsonaro (PSL) manifestou "profundo pesar" por conta do incêndio que atingiu a catedral Notre-Dame, em Paris. As chamas tiveram início por volta das 13h50, poucos minutos após a igreja ser fechada para visitação.

"Em nome dos brasileiros, manifesto profundo pesar pelo terrível incêndio que assola um dos maiores símbolos da cultura e da espiritualidade cristã e ocidental, a catedral de Notre-Dame, em Paris. Neste momento sombrio, as nossas orações estão com o povo francês.", escreveu o presidente em seu Twitter.

O Itamaraty também veiculou uma nota lamentando as chamas na catedral francesa, a qual chamou de "verdadeira obra-prima da arquitetura gótica, admirada mundialmente pela beleza de seus tesouros, que celebraram seus 850 anos de história em 2013."

"Manifestamos nossa solidariedade com a nação francesa neste momento de perda inestimável", disse o ministério das Relações Exteriores em comunicado divulgado na noite de hoje.

Presidentes e líderes políticos de todo o mundo também se solidarizaram com o incêndio na catedral, O presidente francês, Emmanuel Macron, afirmou por meio de seu Twitter que compartilha da "dor de toda uma nação".

"Notre-Dame de Paris, presa nas chamas. Dor de toda uma nação. Meus pensamentos para todos os católicos e todos os franceses. Como todos os nossos compatriotas, estou triste hoje, quando vemos esta parte de nós queimando", escreveu Macron nas suas redes sociais.

A primeira-ministra alemã, Angela Merkel, também se pronunciou sobre o incêndio, classificando a catedral como "símbolo da França" e da "cultura europeia". As palavras foram emitidas por meio do porta-voz da chanceler, Steffen Seibert.

"Estas imagens horríveis de Notre-Dame em chamas doem. Notre-Dame é um símbolo da França e da nossa cultura europeia. Nossos pensamentos estão com os amigos franceses", afirmou Seibert em seu Twitter.

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, foi um dos primeiros a se solidarizar com os franceses. "É tão horrível ver o enorme incêndio na catedral de Notre-Dame em Paris. Talvez possam usar aviões-tanque para apagá-lo. É preciso agir rapidamente!", disse em suas redes sociais.

O premiê canadense, Justin Trudeau, afirmou estar "de coração partido" com o incêndio em Paris. "Os canadenses estão com o pensamento nos nossos amigos da França enquanto vocês lutam contra esse fogo devastador", escreveu Trudeau.

Outro líder que se manifestou por meio das redes sociais foi o prefeito de Londres, Sadiq Khan, que afirmou que a capital britânica "se une à tristeza com Paris."

"Cenas de partir o coração na Catedral de Notre-Dame em chamas. Londres se une a Paris na tristeza hoje, e sempre em amizade. #NotreDame", afirmou Khan no Twitter.

Premiê britânica, Theresa May disse que seus "pensamentos estão com o povo da França e com os serviços de emergência que estão lutando contra o terrível incêndio na catedral de Notre-Dame."

Lenín Moreno, presidente do Equador, foi outro líder político que utilizou suas redes sociais para emitir sua solidariedade à França.

"Testemunhamos com tristeza infinita o incêndio de um monumento que é patrimônio da humanidade. A Catedral de Notre Dame pertence a todos nós. Devemos ajudar a cuidar da memória e da história do mundo. Estamos perdendo um tesouro, uma página da cultura mundial.", escreveu Moreno em seu Twitter.

Já o presidente colombiano Iván Duque afirmou que lamenta o "irreparável dano" causado pelas chamas na catedral de Notre Dame. "Lamentamos o trágico incêndio que nesta época consome a histórica catedral de Notre Dame, em Paris. Vemos com tristeza como esse símbolo mundial e da cultura francesa sofre esse dano irreparável", afirmou Duque por meio de suas redes sociais.

Pedro Sánchez, primeiro-ministro da Espanha, classificou o incêndio como uma "catástrofe" tanto para a França, quanto para Espanha e todo o continente europeu. "As chamas devastam 850 anos de história, arquitetura, pintura e escultura. Vai ser difícil esquecer isso. A França pode contar conosco para recuperar a grandeza de sua herança.", disse Sánchez em seu perfil no Twitter.

Líder do governo italiano, Giuseppe Conte afirmou que a destruição parcial de Notre-Dame é "um golpe no coração para os franceses e para todos nós, europeus". O vice primeiro- ministro e atual ministro do Interior, Matteo Salvini, chamou o fogo de "aterrorizante". "Um pensamento e um abraço ao povo de Paris", escreveu Salvini.

Em comunicado, o Vaticano, estado-sede da Igreja Católica, afirmou que recebeu com "incredulidade e tristeza" a notícia do "terrível" incêndio que devastou a catedral. Segundo o texto divulgado, Notre-Dame é um "símbolo da cristandade na França e no mundo".

O presidente do Brasil, Jair Bolsonaro (PSL), ainda não se manifestou sobre o incêndio na catedral francesa.

*Com informações da AFP

Errata: o texto foi atualizado
16/04/2019 às 00h00
Diferentemente do que foi informado anteriormente, Pedro Sánchez é primeiro-ministro da Espanha. O conteúdo foi corrigido.