PUBLICIDADE
Topo

Rival de Guaidó passa a comandar Parlamento venezuelano; oposição contesta

5.jan.2020 - Diante de policiais, o líder opositor Juan Guaidó tenta pular as grades da Assembleia Nacional da Venezuela, da qual é presidente - Federico Parra/AFP
5.jan.2020 - Diante de policiais, o líder opositor Juan Guaidó tenta pular as grades da Assembleia Nacional da Venezuela, da qual é presidente Imagem: Federico Parra/AFP

Do UOL, em São Paulo*

05/01/2020 17h16Atualizada em 05/01/2020 21h51

Ex-membro de um partido de oposição ao regime de Nicolás Maduro, o deputado Luis Parra foi eleito neste domingo (5) como presidente da Assembleia Legislativa da Venezuela. A votação foi reconhecida por Maduro, mas considerada fraudulenta pela fatia da oposição liderada pelo atual presidente do Parlamento, Juan Guaidó, também autoproclamado presidente interino da Venezuela.

Horas depois, opositores realizaram uma nova votação — fora do Parlamento, na sede de um jornal — e afirmaram que reelegeram Guaidó para um novo mandato como presidente do Parlamento.

Segundo informações divulgadas nas redes sociais pela Assembleia Nacional, que tem maioria opositora, Guaidó foi eleito com 100 votos. Com isso, teria sido respeitado o quórum de 84 deputados para a eleição do presidente da Casa. No entanto, participaram da sessão legisladores inabilitados por acusações penais.

Assim, ainda não está claro qual das votações — a que elegeu Parra ou a que reelegeu Guaidó — vai de fato valer.

Diversos parlamentares opositores afirmam que foram impedidos pela polícia de entrar na Assembleia para votar, e que a votação não teria respeitado o quórum de 84 deputados. A oposição tem maioria na Assembleia, com 112 das 167 cadeiras.

5.jan.2019 - O deputado Luis Parra (à esquerda) presta juramento como presidente da Assembleia Nacional da Venezuela - Manaure Quintero/Reuters
5.jan.2019 - O deputado Luis Parra (à esquerda) presta juramento como presidente da Assembleia Nacional da Venezuela
Imagem: Manaure Quintero/Reuters

Parra, por sua vez, se valeu da TV estatal venezuelana para dizer que Guaidó é "passado" e afirmou que nada impedia o opositor de entrar na Assembleia.

"Não vamos seguir presos no passado. Para nós, Juan Guaidó é passado e temos que abrir as portas para o futuro", afirmou.

No fim da tarde, Maduro declarou que "vinha sonhando" com a retirada de Guaidó do comando do Parlamento "com os votos da própria oposição".

Aliados de Guaidó publicaram em redes sociais vídeos mostrando o líder opositor tentando pular as grades da Assembleia Nacional.

Antes da sessão, esperada há meses por representar uma nova queda de braço entre o governo da Venezuela e a oposição, a Polícia Nacional Bolivariana e a Guarda Nacional Bolivariana cercaram o Palácio Legislativo, impondo uma série de barreiras para impedir a entrada de Guaidó e outros deputados.

Enquanto Guaidó e seus aliados eram barrados, deputados governistas e um pequeno grupo de opositores, tachados de corruptos pelos principais críticos do governo de Nicolás Maduro, puderam entrar no local sem problemas.

A eleição de Parra, ex-integrante do partido Primero Justicia, foi exibida ao vivo na emissora estatal VTV, que nunca transmite as sessões da Assembleia Nacional. Perto do fim da sessão, deputados da oposição conseguiram chegar ao plenário e, aos gritos, tentavam impedir a votação.

A imprensa estatal da Venezuela está tratando a eleição de Parra como fato consumado, assim como parlamentares do PSUV (Partido Socialista Unido da Venezuela), do qual Maduro faz parte.

O deputado governista Francisco Torrealba afirmou, por exemplo, que Guaidó estava se negando a instalar a sessão para a votação de hoje porque não teria os votos necessários para se reeleger.

Brasil não reconhece resultado, diz Araújo

Pelo Twitter, o ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, disse que o Brasil "não reconhecerá qualquer resultado dessa violência e afronta à democracia". O chanceler publicou um vídeo que mostra policiais impedindo a entrada de Guaidó na Assembleia venezuelana.

O Brasil foi um dos primeiros países a reconhecer Guaidó como presidente da Venezuela. No momento, mais de 50 países reconhecem o parlamentar como governante do país.

Além do Brasil, países como EUA e Colômbia declararam que não reconhecem o resultado da votação na Assembleia Nacional venezuelana.

*Com Efe, AFP e Reuters

Errata: o texto foi atualizado
Diferentemente do informado em versão anterior deste texto, o deputado Luis Parra não pertence mais ao partido Primero Justicia, de oposição ao regime de Nicolás Maduro. A foto foi publicada em 5 de janeiro de 2020 e não de 2019. A legenda foi corrigida.

Internacional