PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Esse conteúdo é antigo

Irã não entregará caixas-pretas de avião ucraniano à Boeing, diz agência

Ana Carla Bermúdez

Do UOL, em São Paulo*

08/01/2020 09h12Atualizada em 08/01/2020 12h06

Resumo da notícia

  • Irã diz que não vai entregar caixas-pretas de avião ucraniano à fabricante Boeing
  • A aeronave caiu logo após decolar do aeroporto de Teerã, no Irã, matando 176 pessoas
  • A queda aconteceu horas após o Irã ter lançado mísseis contra bases americanas no Iraque
  • Ainda não se sabe se a tragédia tem relação com a crise entre Irã e Estados Unidos
  • A Boeing, fabricante da areonave, é americana

O Irã não entregará as caixas-pretas do avião ucraniano que caiu hoje logo após decolar do aeroporto de Teerã à fabricante de aviões Boeing, disse o chefe da agência de aviação civil iraniana, Ali Abedzadeh. A aeronave transportava 176 pessoas. Não há sobreviventes.

A queda do Boeing 737 da Ukraine International Airlines aconteceu horas após o Irã ter lançado pelo menos 12 mísseis contra duas bases que abrigam tropas norte-americanas no Iraque. A ação foi uma resposta ao assassinato do general iraniano Qassim Suleimani, morto por um drone dirigido pelos Estados Unidos na semana passada. A Boeing, empresa fabricante da aeronave, é americana.

Rota aproximada feita pelo Boeing 737 da Ukraine Airlines que caiu logo após decolar do aeroporto de Teerã, no Irã - Reprodução/Flightradar24 - Reprodução/Flightradar24
Rota aproximada feita pelo avião da Ukraine Airlines que caiu logo após decolar do aeroporto de Teerã, no Irã
Imagem: Reprodução/Flightradar24

Ainda não se sabe, no entanto, se a queda do avião tem relação com a crise entre Irã e Estados Unidos, que vem se intensificando desde o assassinato de Suleimani.

Abedzadeh afirmou ainda que não está claro para qual país o Irã enviará as caixas-pretas para que seus dados possam ser analisados, informou a agência de notícias Mehr. Segundo um porta-voz da agência iraniana, as duas caixas-pretas do avião foram encontradas pelas equipes de busca e resgate nesta manhã.

Chefe da Força Revolucionária da Guarda Quds do Irã, Suleimani era considerado um dos homens mais importantes do país. Além dele, ao menos outras sete pessoas também morreram no ataque.

Mudança de versões

Em um primeiro momento, a embaixada da Ucrânia no Irã descartou "terrorismo" e apontou uma falha no motor do Boeing 737 como causa do acidente. Horas depois, no entanto, o órgão emitiu um novo comunicado, sem mencionar o problema mecânico, e disse que ainda investiga os motivos da tragédia.

Segundo a agência de notícias russa RIA Novosti, os ministros das Relações Exteriores da Ucrânia e do Irã, Vadim Pristayko e Javad Zarif, concordaram em coordenar as ações das equipes de investigação para determinar a causa do acidente.

O presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, disse que a "embaixada está a procura de informações sobre as circunstâncias desta tragédia".

A Ukraine International Airlines informou hoje que o avião que caiu no Irã era um dos melhores da sua frota e que os pilotos eram muito experientes. A afirmação foi feita em uma entrevista coletiva realizada em Kiev, de acordo com a agência Reuters. Segundo as autoridades da companhia, não havia sinal de que algo estava errado com a aeronave, um Boeing 737, antes da decolagem.

Pelo Twitter, a Boeing se solidarizou com os mortos e seus familiares. "Estamos em contato com nossos clientes de companhias aéreas e os apoiamos neste momento difícil. Estamos prontos para ajudar de qualquer maneira necessária", informou a companhia.

*Com informações da AFP e Reuters

Internacional