PUBLICIDADE
Topo

Coronavírus

Esse conteúdo é antigo

Estudo italiano identifica coronavírus em partículas de poluição no ar

Céu da cidade de  Milão, na Itália, em 2015 - Antonio Calanni/AP
Céu da cidade de Milão, na Itália, em 2015 Imagem: Antonio Calanni/AP

Do UOL, em São Paulo

24/04/2020 11h40Atualizada em 24/04/2020 12h42

Um estudo realizado por cientistas da Universidade de Bolonha, na Itália, detectou o novo coronavírus em partículas de poluição do ar. Agora, eles investigam se isso pode permitir que ele seja transportado por longas distâncias e aumentar o número de pessoas infectadas.

A pesquisa, divulgada com exclusividade para o jornal The Guardian, ainda não identificou se o vírus permanece funcional em partículas poluentes nem se tem quantidade suficiente para contaminar as pessoas.

Os italianos coletaram amostras do ar em locais públicos da cidade de Bergamo. A coleta foi dividida entre zonas urbanas e industriais. Eles identificaram um gene altamente específico da covid-19 em várias amostras diferentes.

O resultado foi confirmado em testes cegos feitos por um laboratório independente.

Leonardo Setti, que liderou a pesquisa em Bolonha, disse que era importante investigar se o vírus poderia ser transmitido em longa escala através do ar.

"Se soubermos, podemos encontrar uma solução. Mas se não soubermos, só podemos sofrer as consequências", disse Setti.

Uma análise estatística feita pela equipe sugere que níveis mais altos de poluição poderiam explicar taxas mais altas de infecção ao norte da Itália antes da quarentena.

O país sofre com quase 190 mil infectados e lidera o ranking de morte, com cerca de 25.500 óbitos.

Máscaras caseiras podem ser ótimas aliadas na prevenção da covid-19, disseminada através do ar. Veja como fazer a sua em casa:

Coronavírus