PUBLICIDADE
Topo

Coronavírus

Argentina de 100 anos é internada e perde a casa; família acusa enfermeira

Alma recebeu alta em julho, mas família descobriu que fechaduras de apartamento foram trocadas - Getty Images
Alma recebeu alta em julho, mas família descobriu que fechaduras de apartamento foram trocadas Imagem: Getty Images

Do UOL, em São Paulo

06/10/2020 16h51

Alma é uma senhora de 100 anos que vive em Buenos Aires. Em seu mais recente aniversário, no dia 30 de janeiro, comemorou com os familiares em dois eventos, um em seu apartamento e outro em um restaurante. Viúva, ela passava boa parte de seus dias no imóvel para onde se mudou em 1953, aos cuidados de uma enfermeira casada com um encarregado do prédio.

Em junho, Alma foi internada com covid-19. No entanto, pouco depois de receber alta, a família descobriu que o apartamento dela havia sido vendido por US$ 200 mil (cerca de R$ 1,1 milhão), um preço bem abaixo do avaliado. Além disso, 320 mil pesos (em torno de 23,3 mil) foram sacados das contas da mulher durante a hospitalização.

A denúncia foi levada às autoridades por Graziela Dufau, sobrinha de Alma. Segundo o jornal La Nación, a enfermeira teria dado um golpe na idosa, contando com a ajuda de um vizinho advogado e de outras pessoas.

"Aproveitaram-se de sua centenária idade e do quadro de covid-19 pelo qual passava para convencê-la a vender seu imóvel por preço irrisório", disse Carlos Bruniard, juiz que acompanha o caso, conforme relato do diário. O magistrado determinou o embargo preventivo sobre o apartamento e o bloqueio de bens da enfermeira e da família.

Graziela contou que, após a tia receber alta no dia 9 de julho, a família descobriu que as fechaduras do apartamento haviam sido trocadas. Ao conseguirem entrar, viram que o local havia sido esvaziado, restando apenas um colchão e uma geladeira nas dependências. Até mesmo fotografias familiares foram levadas embora.

Enquanto espera a resolução do caso, Graziela lamenta. "A enfermeira não era quem dizia ser", desabafou a sobrinha de Alma. "Aproveitaram-se da saúde da minha tia. Creio que pensavam que ela não iria sobreviveria ao coronavírus", completou.

Coronavírus