PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Homem tem parada cardíaca e morre três meses após ter alta do coronavírus

Ribaya foi aplaudido quando saiu do hospital após receber alta médica depois de contrair a covid-19 - Reprodução/MEN/ North West News Service
Ribaya foi aplaudido quando saiu do hospital após receber alta médica depois de contrair a covid-19 Imagem: Reprodução/MEN/ North West News Service

Do UOL, em São Paulo

20/10/2020 19h41

Roehl Ribaya, de 47 anos, morreu na última quinta-feira (15), após entrar em coma devido a uma parada cardíaca que aconteceu dois dias antes. O engenheiro faleceu três meses após receber alta médica do tratamento de covid-19 no qual ficou 60 dias internado na UTI (Unidade de Terapia Intensiva) do Hospital Blackpool Victoria, na Inglaterra. Segundo um amigo da família, a causa secundária da morte foi uma fibrose pulmonar adquirida após o homem contrair o vírus.

Ribaya foi internado na UTI em 29 de maio após contrair o novo coronavírus. Dos 60 dias internados, 48 foram com ajuda de um respirador mecânico. Em julho, ao deixar o hospital, o homem foi aplaudido por profissionais da saúde que acompanharam o seu tratamento.

Segundo o site Daily Star, na época da alta médica, Ribaya disse que achava que iria morrer. "Eu tinha certeza de que ia morrer. Como você pode agradecer às pessoas que salvaram sua vida?", contou.

A enfermeira Stella Ricio-Ribaya, mulher do engenheiro, disse que ele "nunca se recuperou" dos efeitos a longo prazo da doença.

Na terça-feira (13), Ribaya teve uma parada cardiorrespiratória e foi reanimado pela mulher. O homem foi levado ao hospital, entrou em coma e morreu dois dias depois.

"Ele [Ribaya] nunca foi o mesmo [após a alta médica]. Ele estava tão sem fôlego o tempo todo. Por favor, siga o conselho do governo para que possamos deter esse vírus. Ele foi levado muito cedo. Não queremos mais morrer", disse Stella.

Mark Delebajan, amigo do engenheiro, contou que a família ficou devastada com a morte de Ribaya e que a causa secundária da morte foi uma fibrose pulmonar adquirida após o homem contrair a covid-19.

"A respiração dele [Ribaya] nunca era a mesma e ele não conseguia subir as escadas. Ele foi levado de volta ao hospital várias vezes", explicou o colega.

Internacional