PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Ex-fisiculturista não pode mais se mexer após colapso por uso de insulina

Tristan durante um dos exercícios para reabilitação, no hospital em que vive - Facebook/Tristan Alberts
Tristan durante um dos exercícios para reabilitação, no hospital em que vive Imagem: Facebook/Tristan Alberts

Colaboração para o UOL, em São Paulo

23/10/2020 19h06

Um ex-fisiculturista britânico ficou incapaz de ver, falar, comer e andar depois usar insulina para aumentar os músculos. Tristan Alberts sofreu uma lesão cerebral traumática e insuficiência respiratória em 2017, quando tinha 20 anos, e ficou debilitado.

O jovem foi internado com um quadro clínico de coma hipoglicêmico, sofrendo de insuficiência respiratória e inchaço cerebral. Ele passou por uma cirurgia de emergência para salvar sua vida e ficou por 103 dias internado na UTI.

A insulina é um hormônio que regula os níveis de açúcar no sangue. É tipicamente associado ao diabetes tipo 1, mas também ajuda a construir músculos, razão pela qual alguns fisiculturistas não diabéticos recorrem ao hormônio para uma ajuda extra.

Desde o colapso, Tristan precisa ser alimentado por uma sonda e não consegue ir sozinho ao banheiro. Por conta do padecimento físico e mental causados pelas sequelas, a família precisou deixar o ex-fisiculturista aos cuidados de uma clínica especializada, em Abu Dhabi, onde a família mora.

As despesas médicas, no entanto, acabaram danificando a saúde financeira da família, que chegava a pagar 107 mil libras, cerca de R$ 785 mil, anuais para o tratamento de Tristan.

A situação ficou ainda pior, quando Neville Alberts, pai do jovem, perdeu o emprego como revendedor de automóveis e começou a atrasar os pagamentos para a clínica. Após deixar Tristan em um hospital para uma bateria de exames, a clínica se recusou a chamar uma ambulância para levá-lo de volta, devido aos cheques em atraso.

Tristan foi deixado no hospital, onde ainda consegue se alimentar sob observação médica, mas o seguro de saúde cobre apenas gastos de UTI, portanto, as contas seguem se acumulando.

A família acabou sendo despejada da casa onde viviam em Abu Dhabi, e agora procuram uma oportunidade de voltar ao Reino Unido. Em busca de ajuda com as contas médicas de Tristan, os familiares mantêm uma página de financiamento coletivo online, desde 2018, em que 22 mil libras, aproximadamente R$ 161 mil, já foram arrecadadas.

Publicações são feitas pela família na página do Facebook de Tristan, exibindo a evolução dele durante a reabilitação para quem doou ou desejar doar para o tratamento.

21 October 2020 - Update . Greetings to you , we hope that this update finds you safe and well? . So after the fitting...

Publicado por Tristan Alberts em Quarta-feira, 21 de outubro de 2020

Internacional