PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Médicos confundem gravidez com virose; paciente dá à luz em casa ao vivo

Natosha Kramer, de 32 anos, deu à luz em casa após receber alta de hospital e transmitiu o parto ao vivo  - Reprodução
Natosha Kramer, de 32 anos, deu à luz em casa após receber alta de hospital e transmitiu o parto ao vivo Imagem: Reprodução

Colaboração para o UOL, em São Paulo

25/11/2020 16h25

Natosha Kramer, de 32 anos, foi a um hospital no estado de Ohio, nos Estados Unidos, queixando-se de dores no estômago, mas acabou recebendo alta após ter diagnóstico de virose estomacal. De volta para casa, descobriu com surpresa que estava em trabalho de parto e deu à luz um bebê em uma transmissão ao vivo no Facebook.

O caso ocorreu no dia 12 de junho, quando Kramer se dirigiu ao Atrium Medical Center, em Middletown, com vômito e fortes contrações.

Já que os médicos não a diagnosticaram corretamente, ela deu à luz a filha Nola em casa, dentro da banheira, e decidiu registrar tudo no Facebook conforme ocorria.

"Eu queria a memória do nascimento, independentemente de estar em um hospital ou em minha casa", relatou Kramer, de acordo com o site do jornal britânico Daily Mirror.

"O [disque-emergência] 911 no telefone aconselhou meu pai a encontrar uma corda para [cortar] o cordão umbilical. Então, em pânico, ele tentou tirar os cordões do próprio sapato, mas felizmente os paramédicos vieram neste momento", recordou a mãe de primeira viagem.

Mesmo sem acompanhamento médico em todo o procedimento, o parto ocorreu com sucesso e bebê e mãe passam bem. Kramer, entretanto, não conseguiu tirar a certidão de nascimento da criança nem obteve assistência governamental.

O entrave ocorre porque o neném não nasceu em uma instituição hospitalar. "Eles continuam me dizendo que, devido a covid-19, [o processo legal de obter a certidão] pode demorar até um ano, mas realmente não é minha culpa ter dado à luz em casa", lamentou a mãe.

Internacional