PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Conteúdo publicado há
6 meses

Corpo de crocodilo que teria pertencido a Hitler será exposto em Moscou

Crocodilo viveu no Zoológico de Moscou de 1946 até 2020 - Reprodução/Twitter/@moscowzoo
Crocodilo viveu no Zoológico de Moscou de 1946 até 2020 Imagem: Reprodução/Twitter/@moscowzoo

Colaboração para o UOL, em São Paulo

14/12/2020 16h11

Um crocodilo, conhecido por supostamente ser um animal de estimação de Adolf Hitler, será empalhado e colocado em exposição no Museu Darwin, em Moscou. Morto em maio aos 84 anos, o animal foi encontrado em Berlim no ano de 1946, e transportado para um zoológico da capital russa, onde viveu até morrer de velhice.

O animal, chamado Saturno, nasceu em 1936 em uma selva no Mississipi, estado dos EUA, e foi dado como presente ao zoológico de Berlim no mesmo ano. No entanto, os rumores sobre a origem do crocodilo afirmam que, apesar de ele viver no zoológico, ele integraria a coleção particular de animais de Hitler.

Veja como era o crocodilo, em um vídeo publicado pelo Zoológico de Moscou no Twitter:

O que se sabe é que, em novembro de 1943, durante um bombardeamento dos aliados em Berlim, o crocodilo de 3,5 m de comprimento fugiu do cativeiro. Saturno só tornaria a ser visto novamente três anos depois, após o fim da Segunda Guerra Mundial, quando soldados o resgataram das ruas e o enviaram para o zoológico de Moscou.

O mito que se construiu em volta de Saturno, no entanto, vai além dos rumores que ele tenha pertencido ao líder nazista. Exposto por anos no zoológico moscovita, o animal era considerado uma lenda. Os rumores locais dizem que réptil passou os anos entre a fuga do zoológico e a ida para a União Soviética se escondendo em esgotos e porões.

Ainda há quem atribua um sentimento patriota ao crocodilo, que teria convivido com o inimigo na Segunda Guerra. Segundo Dmitry Miloserdov, diretor do Museu Darwin, Saturno tinha "lágrimas nos olhos" durante o colapso soviético. Ele ainda conta que Saturno se lembrou do bombardeamento de Berlim, quando tanques atiraram no parlamento russo.

"Ele era, sem exagero, uma lenda do zoológico e tinha visto muita coisa em sua vida. Nenhum réptil do museu tem uma biografia tão rica", disse Dimitry ao jornal Daily Star.

A taxidermia do corpo de Saturno demorou seis meses para ser concluída, e fará parte de uma exposição chamada: "O segundo nascimento de Saturno - a história de como 'o crocodilo de Hitler' se tornou imortal."

Internacional