PUBLICIDADE
Topo

Coronavírus

Conteúdo publicado há
15 dias

OMS vê indícios de que Wuhan já tinha surto de coronavírus no fim de 2019

3.fev.2021 - Membros da OMS que investigam as origens do novo coronavírus chegam ao Instituto de Virologia de Wuhan, na China - Hector Retamal/AFP
3.fev.2021 - Membros da OMS que investigam as origens do novo coronavírus chegam ao Instituto de Virologia de Wuhan, na China Imagem: Hector Retamal/AFP

Do UOL, em São Paulo

14/02/2021 11h37

A missão da OMS (Organização Mundial da Saúde) que está em Wuhan, na China, para investigar o início da pandemia do coronavírus encontrou indícios de que a doença já havia começado a se espalhar em dezembro de 2019, pouco antes de o país começar a reportar os primeiros casos de covid-19. As informações são de uma reportagem exclusiva da rede norte-americana CNN.

Os investigadores apontam que o surto em dezembro de 2019 já era muito maior do que o reportado e agora buscam acesso a milhares de amostras de sangue na cidade chinesa - que ainda não foram liberados pelo governo da China para serem analisados.

O líder da investigação da OMS, Peter Ben Embarek, afirmou à CNN que a missão achou diversos sinais de que o surto já era grande em 2019, estabelecendo pela primeira vez que havia cerca de uma dúzia de mutações do vírus circulando em Wuhan, epicentro do início da pandemia, no fim do ano.

O grupo também falou com o primeiro paciente que o governo chinês afirmou ter sido infectado, um homem de 40 anos, sem histórico de viagens e que foi diagnosticado com a covid-19 em 8 de dezembro.

As informações tem sido repassadas com morosidade à OMS, adicionando preocupações de outros estudos científicos sobre a origem da pandemia, que indicavam que o surto já se espalhava antes das primeiras medidas de emergência da China.

"O vírus estava circulando amplamente em Wuhan em dezembro, o que é um achado novo", afirmou Embarek.

A OMS recebeu dados de que havia 174 casos de coronavírus em Wuhan e arredores em dezembro de 2019. Destes, 100 foram confirmados por testes de laboratório e outros 74 por diagnósticos clínicos de pacientes com sintomas.

Embarek disse à CNN que é possível que, com as descobertas, o número total seja ainda maior do que o que se sabia, chegando próximo a mil casos na China, já que "na população infectada, só cerca de 15% acabam sendo doentes severos, o restante são casos leves".

A missão tem 17 cientistas da OMS e 17 chineses e encontrou 13 sequências genéticas diferentes do Sars-Cov-2, o que pode ajudar no rastreio dos primeiros casos e de como a doença se espalhou geograficamente.

"Algumas amostras nos levam a mercados. Outras, não", disse ele, sobre as possibilidades de os mercados locais poderem ter relação com o surto.

Mutações

A descoberta sobre as várias cepas em Wuhan pode indicar que o coronavírus já circulava antes mesmo deste mês de dezembro de 2019 - e os achados da missão da OMS são os primeiros a apontar, de fato, para esta possibilidade.

"Como já havia diversidade genética do Sars-Cov-2 nas amostras de 2019 de WUhan, é provável que ele já se propagava bem antes deste mês em questão", afirmou Edward Holmes, virologista da Universidade de Sydney, na Austrália. "Esses dados apontam que o vírus saltou para os humanos antes de dezembro e que por um período teve uma transmissão silenciosa, antes de que ser detectado pela primeira vez no mercado de Huanan."

São investigados cerca de 100 amostras de pacientes com sintomas semelhantes ao da covid-19 em outubro e novembro de 2019, mas ainda não se comprovou se eles estavam com o coronavírus.

Sobre o "paciente zero", ele não é ligado ao mercado de Huanan. "Ele não viajou, tem uma vida normal e trabalha em um escritório de uma companhia particular", explicou Embarek.

Coronavírus