PUBLICIDADE
Topo

Quem é Naomi Seibt, a jovem 'anti-Greta Thunberg' que advoga contra 'alarmismo ambiental'

Apresentada como "anti-Greta", a adolescente alemã de 19 anos se tornou uma voz dos céticos das mudanças climáticas - Naomi Seibt
Apresentada como 'anti-Greta', a adolescente alemã de 19 anos se tornou uma voz dos céticos das mudanças climáticas Imagem: Naomi Seibt

Norberto Paredes - @norbertparedes

BBC News Mundo

02/03/2020 14h33

"Durante muitos anos, fui uma alarmista ambiental. Acreditava em toda essa narrativa de que as mudanças climáticas estavam destruindo o planeta (...), mas, depois de pesquisar um pouco, decidi que já tinha minha própria e sólida visão sobre o assunto."

É assim que Naomi Seibt explica a transição que a levou a se juntar ao Heartland, um influente think tank conservador sediado nos Estados Unidos, que apóia o capitalismo e o livre mercado.

Apresentada como "anti-Greta Thunberg" pelo Heartland, essa jovem alemã de 19 anos se tornou uma voz dos céticos das mudanças climáticas.

Como Greta, Seibt é nova, branca, eloquente, originária de um país rico da Europa Ocidental, bastante madura para sua pouca idade e fala inglês perfeitamente. Mas as semelhanças terminam aí.

"Eu sou libertária. Geralmente não quero me alinhar com nenhum partido", disse Naomi Seibt à BBC News Mundo, sem negar, no entanto, seu relacionamento próximo com membros do Alternative für Deutschland (AfD), partido de extrema direita alemão que milita contra a imigração, o Islã e a União Europeia.

Naomi Seibt diz não querer se vincular a partidos, mas não nega relação com o AfD, partido da extrema direita alemã - Naomi Seibt
Naomi Seibt diz não querer se vincular a partidos, mas não nega relação com o AfD, partido da extrema direita alemã
Imagem: Naomi Seibt

A visão dela sobre o meio ambiente também difere da de Thunberg, que foi nomeada em 2019 como a "pessoa do ano" pela prestigiada revista Time, por sua luta contra as mudanças climáticas, tornando-se a mais jovem da história a receber o prêmio.

"Na realidade, o dióxido de carbono é um gás de efeito estufa menor", diz Seibt, argumentando que o Grupo Intergovernamental de Especialistas em Mudanças Climáticas alega que o efeito do aquecimento (causado pelas emissões) de CO2 é alto com base em seus próprios modelos de computação e não em dados reais.

"Eu acho que é um grande problema, porque as pessoas estão sendo informadas de que tudo isso é baseado na ciência, inclusive cientistas e políticos", acrescenta.

Procurado pela BBC News Mundo, o Greenpeace Espanha não comentou sobre essa jovem ou suas ideias. "Pensamos que esse debate está superado. É nossa política não valorizar as opiniões negacionistas que vão contra as evidências científicas", disse Ana Martínez, gerente de comunicações da organização.

Cientistas apontam que as mudanças climáticas devem causar grandes transformações em todo o mundo: o nível do mar vai subir, a produção de alimentos pode cair e algumas espécies talvez sejam extintas.

A Organização das Nações Unidas (ONU) alertou que o mundo precisa limitar o aumento da temperatura média global a menos de 1,5° C em relação aos níveis pré-industriais. Mas, de acordo com os cientistas, cumprir a meta de 1,5° C exige "mudanças rápidas, de longo alcance e sem precedentes" em todos os aspectos da sociedade.

O plano de combater os objetivos de redução de CO2

Com um "salário modesto", como ela diz, Seibt trabalha desde dezembro para a Heartland, organização acusada de lançar uma campanha para combater os esforços da Alemanha para regular as emissões de dióxido de carbono no mundo.

Em entrevista ao jornal britânico The Guardian, Connor Gibson, pesquisador do Greenpeace nos Estados Unidos, acusou a Heartland de "canalizar dinheiro anônimo dos EUA (para promover) a negação climática em outros países".

"Ela conta com a mídia para promover estratégias de equivalências falsas para tentar normalizar crenças radicais. A negação do clima não é um crime sem vítimas, e é hora de os responsáveis serem apontados", diz ele.

De acordo com o site britânico Desmog, dedicado a denunciar o que considera campanhas de desinformação sobre mudanças climáticas, a Heartland é "um dos grupos mais notórios que negam a ciência das mudanças climáticas nos Estados Unidos e recebeu fundos da ExxonMobil e de grandes fundações conservadoras".

O jornal americano The Washington Post relata que, durante a Conferência de Madri sobre Mudanças Climáticas, realizada em dezembro, dois funcionários do CORRECTIV, um grupo de mídia alemão sem fins lucrativos, entraram em contato com James Taylor, diretor do Centro Arthur B. Robinson para Política Climática e Ambiental da Heartland, e se passaram por doadores da indústria automotiva.

Os jornalistas disfarçados ofereceram a Taylor meio milhão de euros, que ele aceitou imediatamente, apresentando um plano elaborado para combater o desejo das autoridades alemãs de limitar a mudança climática.

Taylor disse ao Washington Post que sua resposta teria sido a mesma se ele soubesse a verdadeira identidade dos jornalistas.

Na proposta enviada pelo Centro Arthur B. Robinson, ele descreveu Naomi Seibt como "a estrela" de um "Fórum da Realidade Climática" organizado pela Heartland em paralelo à cúpula de Madri.

À BBC News Mundo, Taylor descreve a jovem alemã como uma "grande mensageira da liberdade humana no mundo".

"Ela é uma jovem adulta muito inteligente e articulada, com uma visão muito perspicaz de melhorar as condições (de vida) na Europa e no resto do mundo. Acho que seria maravilhoso se as pessoas ouvissem sua mensagem", disse.

Mas qual é exatamente a mensagem dela?

Naomi Seibt diz que gostaria de conhecer Greta Thunberg (foto) 'além de seus pontos de vista sobre as mudanças climáticas e o que ela diz diante das câmeras' - Getty Images
Naomi Seibt diz que gostaria de conhecer Greta Thunberg (foto) 'além de seus pontos de vista sobre as mudanças climáticas e o que ela diz diante das câmeras'
Imagem: Getty Images

'Não acho que os humanos estão causando mudanças climáticas'

Naomi acredita que Thunberg e outros ativistas ambientais estão causando "histeria desnecessária" exagerando a crise climática.

"Eu não me considero uma negacionista da mudança climática, porque se você me perguntar se eu acredito na mudança climática, é claro que vou dizer que sim (...) o clima está sempre mudando, há milhões e bilhões de anos."

"O clima está mudando o tempo todo ao longo deste ano", acrescenta ela.

"Tivemos tempos quentes, tempos frios. Tudo está relacionado à rotação do Sol, relacionado à maneira como o Sol afeta a temperatura do planeta."

Questionada se ela considera positiva a mudança climática, a jovem se defende: "Não estou dizendo que é positiva ou negativa. É neutra. O clima está sempre mudando. É natural (...) O que não acho é que os seres humanos são responsáveis pelas mudanças climáticas", diz.

Seibt também nega as acusações de fazer parte de um plano para atrapalhar as autoridades de seu país na luta contra as mudanças climáticas.

"Não me vejo mais como uma ativista puramente alemã, por assim dizer", diz ela, que acrescenta que seu ativismo agora está voltado para a comunidade internacional.

A Heartland, a organização para qual Naomi Seibt trabalha, teria vínculos estreitos com a administração Trump - Getty Images
A Heartland, a organização para qual Naomi Seibt trabalha, teria vínculos estreitos com a administração Trump
Imagem: Getty Images

Ligações com Donald Trump

Fundada em 1984 e financiada principalmente por doadores anônimos, a Heartland, organização que agora ajuda a espalhar a mensagem "anti-Greta", mantém laços estreitos com membros do governo Trump, de acordo com o Washington Post.

Segundo documentos obtidos pelo jornal americano, William Happer, que atuou como diretor do Conselho de Segurança da Casa Branca de 2018 a 2019, teria solicitado a ajuda da Heartland para promover suas ideias de que as emissões de CO2 deveriam ser consideradas benéficas para a sociedade.

"Acreditamos que o governo Trump em geral está fazendo um trabalho muito bom em relação às políticas energética, ambiental e climática", disse James Taylor, da Heartland, à BBC.

"Temos o prazer de fornecer informações e assessoramento a quem deseje recebê-los", acrescenta ele sobre os membros do governo dos EUA e confirma ter contato com "alguns" deles.

Naomi Seibt descarta a existência de vínculos entre Trump e a organização em que trabalha. "Talvez em termos de pontos de vista, porque ele também foi considerado um negacionista das mudanças climáticas."

'Tenho certeza de que Greta é uma garota muito legal'

Em relação à sua "rival" Greta Thunberg, ela diz que não tem nenhum problema com ela ou com a narrativa geral da luta contra as mudanças climáticas.

Diz apenas que lamenta que apenas um lado da questão seja mostrado.

"O que vejo é que a maioria das pessoas nas ruas, protestando e falando sobre mudanças climáticas, políticos e celebridades, não têm ideia do que realmente está acontecendo. Eles não pesquisam a ciência por trás disso. Se fizeram, fico feliz em discutir com eles."

Além disso, ela diz que tem certeza de que Greta é uma garota "muito legal" e "interessante".

"Gostaria de conhecê-la além de suas opiniões sobre a mudança climática e o que ela diz diante das câmeras, porque ela é muito mais do que isso. Não é apenas propaganda (contra) a mudança climática", acrescenta.

Da mesma forma, ele confessa que, embora não goste de ser chamada de "anti-Greta", diz que isso serve para torná-la conhecida e transmitir sua voz ao mundo.

"Não me considero uma anti-Greta e não quero me tornar uma espécie de marionete do lado oposto."

Enquanto Greta Thunberg tem 4 milhões de seguidores no Twitter, Naomi Seibt (que abriu sua conta em fevereiro de 2020) tem 16.500.

Meio Ambiente