PUBLICIDADE
Topo

Brasileiros devem dedicar à política parte da energia aplicada ao futebol

Gilberto Kassab

Gilberto Kassab

53 anos, é ex-prefeito de São Paulo e presidente nacional do PSD (Partido Social Democrático)

Especial para o UOL

11/07/2014 06h00

O Brasil ganharia muito se os brasileiros dedicassem à política uma pequena parte da energia aplicada ao futebol, escreveu outro dia um articulista. Embora as batalhas se travem em arenas bem diversas, a afirmação ficou quicando na minha cabeça. O futebol de fato mexe – e muito – com os brasileiros.

Gols, dribles, vitórias e derrotas se distribuem imprevisíveis e generosamente pelo ano inteiro. São campeonatos estaduais, nacionais e internacionais que alegram e torturam os torcedores. Ano após ano, unidos, incentivando e criticando seus times, brasileiros driblam frustrações, extravasam sentimentos. E mesmo após lamentos e lágrimas engolidas entre um jogo e outro, lá estão eles novamente juntos, esperançosos, torcendo por seus times.

Sofre-se muito e muito se aprende nessa fantástica arena, principalmente que o futebol é assim mesmo, repleto de altos e baixos, perdas e ganhos. E, como na vida, exige treinamento, superação, muita luta, responsabilidade e obediência a regras dentro e fora das quatro linhas do campo.

Nessa batalha cruenta, uma coisa simples os torcedores percebem e os jogadores aprendem desde o começo: união e trabalho em equipe são fundamentais. E obediência - mais que obediência, lealdade - a uma estratégia de marcação, posicionamento e ação em campo é vital. Como uma orquestra, não pode desafinar.

A grande diferença entre os dois grandes embates que mexem com a vida dos brasileiros é que na política toda a torcida entra em campo pra valer, escala o time de verdade, chuta pênaltis e, travestida de juiz, pode dar cartão vermelho se os eleitos não fazem gols, não dão o sangue em campo.

É muito poder! Por isso, mais do que cobrar - e até para estimular o político - o eleitor não deveria deixar o jogo correr solto e só aparecer na partida final. Ou, pior que isso: se omitir, faltar, sequer ver os lances da partida e ficar apenas vaiando de fora.

Cabe a esse torcedor especial - ainda distante - tocar a bola para frente com determinação, sem desanimar, pois é nessa arena, dos parlamentos e dos governos, que se decide boa parte da sua vida. Também é verdade que os políticos têm de sair mais dos gabinetes e ir para a linha de frente para ouvir, ouvir bastante, ver com clareza e entender melhor o jogo da vida.

Agir assim significa sair da mesmice e lutar com transparência o bom combate. Significa conviver com as diferenças, entendê-las para tentar superá-las e buscar avanços sociais e políticos que diminuam as desigualdades. Simples assim.

O exercício da política não é um bate-bola simples, um treinamento de dois toques. Joga-se mais uma vez, nestas eleições, um importante e complexo passo no aperfeiçoamento das instituições e no fortalecimento da democracia participativa.

Quem sabe o que é sair de seu campo e jogar em campos da periferia; quem tem e quem teve o prazer de plantar postos de saúde; escolas com qualidade; investir em transporte público de verdade, em casas para os que mais precisam.  Quem suja os pés de barro (não apenas em época de eleição) e enche o coração de aflições, sabe do que estamos falando.

Há que se participar dessa luta dura, procurando consensos que geram esperanças, pontes que não dão passagem para ódios e violências. Há que se lutar para derrotar, de verdade, a burocracia onde viceja a corrupção.

Enfim, há uma luta grande pela frente para seguirmos avançando, estimulando os empreendedores, os que querem investir num Estado e num país que trazem na sua história a força, o espírito da igualdade e a vibração do futebol.

Esta participação cidadã na política - assim como o exercício de torcer num campo de futebol - para mim tem a mesma alegria de um gol. Um gol de placa, que se marca à frente de um cargo administrativo, ou num embate transparente no Senado. Com firmeza, determinação e lealdade.

  • O texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL
  • Para enviar seu artigo, escreva para uolopiniao@uol.com.br

Notícias