Topo

Marco Maia (PT-RS) é eleito presidente da Câmara dos Deputados

Camila Campanerut<BR>Do UOL Notícias<BR>Em Brasília

2011-02-01T22:39:25

2011-02-01T23:47:43

01/02/2011 22h39Atualizada em 01/02/2011 23h47

Aprovado pela maioria, com 375 dos 513 votos da Casa, o deputado federal Marco Maia (PT-RS) foi eleito presidente da Câmara dos Deputados na noite desta terça-feira (1º) para o biênio 2011 a 2013. Maia era o candidato governista e tinha apoio de 21 dos 22 partidos com representação na Casa. A votação durou cerca de três horas e foram usadas sete urnas eletrônicas no plenário.

Maia já estava no cargo desde meados do segundo semestre do ano passado, quando substituiu Michel Temer (PMDB-SP), que se licenciou para participar da campanha eleitoral. Com a vitória da chapa PT-PMDB nas urnas, Temer saiu da Casa para assumir a vice-presidência da República.

A disputa à presidência da Câmara tinha candidatura única até uma semana antes da eleição, quando o líder do PR, Sandro Mabel (GO), anunciou a contragosto de seu partido que se lançaria como candidato independente.   

Há poucas horas antes da votação prevista para as 18h de hoje, outros dois candidatos, Jair Bolsonaro (PP-RJ) e Chico Alencar (PSOL-RJ) anunciaram suas candidaturas. Ambos defendiam a independência do Legislativo com relação ao Executivo. 

Mabel recebeu 106 votos, Alencar teve 16 e Bolsonaro, 9. Três deputados votaram em branco.

Após o anúncio da vitória, Mabel foi cumprimentar Maia, que retribui a gentileza ao mencioná-lo em seu primeiro discurso como presidente eleito. "Queria destacar a atuação do Sandro Mabel, comprometido com este Parlamento, dedicado ao povo de seu Estado", disse o petista.

Ainda durante o discurso, Maia chamou de "surpreendente" os 16 votos dados ao candidato do PSOL, Chico Alencar. "Ele representa o crescimento deste pensamento, que tem, sem dúvida nenhuma, contribuído para o debate político."

Já com relação ao deputado Bolsonaro, o tom do novo presidente da Casa foi de brincadeira, apesar de dizer que admira "a firmeza nas convicções dele". "De vez em quando eu fico com saudade dos Bolsonaro, porque dentro do Parlamento, nós temos divergências. E quando sinto saudade do Bolsonaro é só falar em ditadura, e em cinco minutos ele aparece nas portas do Senado", afirmou.      

Derrotado, Mabel também adotou tom conciliador. "Cada um apresentou suas propostas e, ao mesmo tempo, para superar o outro, foi alinhando as propostas, elas ficaram muito parecidas. Espero que ele [Maia] faça um bom mandato, e vamos ajudar, trabalhar e cobrar."

Também nesta terça-feira, os 513 deputados eleitos foram empossados e as lideranças se reuniram para formar os blocos partidários da Casa.

Campanha

Na avaliação de Marco Maia, o apoio conquistado por ele se deveu a uma negociação “quase diária” com todas as legendas da Casa. “Trabalho como se nenhum voto tivesse, com a maior humildade. Pedi para cada um que encontrei que votassem em mim. O fato de ter o apoio de 21 dos 22 partidos não me dá o direito de me posicionar com ‘salto alto’. O que me importa é o voto de cada um”, afirmou o petista antes da eleição.

Para ser definido como indicado, Maia teve de encarar uma discussão interna. Apenas em 14 de dezembro, o PT o oficializou como o nome da legenda para concorrer à presidência. O gaúcho teve de vencer a concorrência de três deputados paulistas Arlindo Chinaglia, João Paulo Cunha, e o ainda líder do governo na Casa, Cândido Vaccarezza.

Os três desistiram de concorrer para evitar que a eleição interna representasse um desgaste maior para eles dentro da legenda, que estava dividida pela disputa.

O PT acordou com o PMDB que haveria um rodízio para ocupar a presidência da Casa. No próximo biênio (2013-2015), a indicação do cargo deve ficar com os peemedebistas, dentre os quais desponta o líder do PMDB na Câmara, o deputado Henrique Eduardo Alves (RN). 

Novos membros da Mesa Diretora

Os deputados também elegeram na noite de hoje os demais membros que irão compor a Mesa Diretora pelos próximos dois anos. Pela primeira vez uma mulher foi eleita para um dos cargos: a deputada Rose de Freitas (PMDB-ES) é, a partir de agora, a 1ª vice-presidente da Casa, o que, segundo a própria parlamentar, é “uma vitória histórica para todas as mulheres brasileiras”.

Eduardo da Fonte (PP-PE) foi eleito como 2ª vice-presidente. Já as secretarias ficaram divididas da seguinte forma: a 1ª secretaria ficou com Eduardo Gomes (PSDB-TO); a 2ª com Jorge Tadeu Mudalen (DEM-SP); a 3ª com Inocêncio de Oliveira (PR-PE) e a 4ª com Júlio Delgado pelo (PSB-MG).

Para as quatro vagas de suplentes foram eleitos: Geraldo Resende (PMDB–MS), Manato (PDT-ES), Carlos Eduardo Cadoca (PSC-PE) e Sergio Moraes (PTB-RS).

Mais Política