PUBLICIDADE
Topo

PT nega que Dirceu tenha defendido campanha para não reconhecer o julgamento do mensalão

Fernanda Calgaro

Do UOL, em Brasília

08/12/2012 11h13Atualizada em 08/12/2012 12h19

A direção do PT negou neste sábado (8) que o ex-ministro José Dirceu, presente ontem no primeiro dia de reunião do diretório nacional do partido, tenha defendido uma proposta de uma ala mais radical da sigla de não reconhecer o julgamento do mensalão.

Segundo nota divulgada no jornal “O Globo”, Dirceu, condenado por formação de quadrilha e corrupção durante o julgamento no Supremo Tribunal Federal, teria saído “frustrado” da reunião do PT pois queria que a proposta fosse chancelada pelo partido.

A ideia foi apresentada por um integrante da tendência radical Trabalho, Terra e Soberania chamado Serge Goulart,  e propunha ainda que os militantes fizessem uma campanha de rua contra o STF. Na reunião, o presidente do PT, Rui Falcão, teria dito que a medida não seria democrática nem republicana. Segundo a assessoria do PT, Dirceu também foi contrário à proposta, que foi retirada e nem chegou a ser votada.

O diretório nacional se reúne desde ontem em Brasília para debater conjuntura política. Dirceu chegou e saiu ontem sem falar com a imprensa. Por volta das 12h30, o presidente do partido deverá dar uma coletiva de imprensa.

Durante a reunião, fotógrafos e cinegrafistas puderam fazer imagens do auditório onde acontece o encontro. José Dirceu estava sentado na primeira fila, mas não falou com a imprensa.

O presidente do PT, Rui Falcão, leu um texto em homenagem ao arquiteto Oscar Niemeyer, em que o exaltou como “grande construtor do Brasil e inovador”.

Neste segundo dia de reunião, o diretório discute detalhes sobre a festa de 33 anos do PT, a proposta de realizar um congresso do partido no que vem e detalhes sobre as eleições internas da sigla.
 

Política