PUBLICIDADE
Topo

Política

Ministro de Dilma diz que ainda não entendeu protestos pelo Brasil

Edgard Matsuki

Do UOL, em Brasília

18/06/2013 10h32Atualizada em 18/06/2013 13h08

Após os protestos ocorridos na última semana e na segunda-feira (17) em todo o país, o ministro da Secretaria-Geral da Presidência da República, Gilberto Carvalho, afirmou nesta terça (18) que antes de tudo é "preciso entender" o funcionamento dos novos protestos. "Não conseguimos entender o que está ocorrendo ainda. São novas formas de organização de mobilização que ainda não compreendemos".

O ministro disse que as manifestações tradicionais são com carro de som e lideranças. "Conversei com alguns manifestantes. Eles não têm líderes e é difícil entender esse comportamento."

Em discurso na manhã de hoje, a presidente Dilma Rousseff elogiou "a voz das ruas" e disse que seu governo está comprometido com as mudanças pedidas pelos manifestantes.

  • Manifestantes sobem no Congresso Nacional

  • Policial à paisana usa arma de fogo no Rio

Carvalho esteve presente na Comissão de Meio Ambiente, Defesa do Consumidor e Fiscalização e Controle (CMA) do Senado, onde afirmou que o órgão não realizou investigação paralela à sindicância Casa Civil na atuação de Rosemary Noronha, ex-chefe de gabinete da Presidência da República em São Paulo. 

Partidarização

Gilberto Carvalho afirmou que “pelo o que foi visto nas manifestações em São Paulo, quem tentar partidarizar os protestos pode não se dar muito bem”. Ele se referiu a gritos contra bandeiras de partidos, como PSOL e PSTU, que eram levantadas durante a manifestação na capital paulista.

Questionado se a presidente Dilma Rousseff havia ficado surpresa com os protestos, ele afirmou que todos ficaram surpresos. “Houve surpresa de toda sociedade brasileira.” Carvalho ressaltou, porém, que é preciso tomar cuidado com os excessos: “É preciso ter cuidado com os limites. Ontem, a polícia agiu apenas na hora em que eles foram excedidos”.

Ontem, Carvalho se propôs a receber alguns manifestantes que protestaram em frente ao Estádio Nacional Mané Garrincha, em Brasília, antes da partida de abertura da Copa das Confederações no sábado. No entanto, apenas uma manifestante e o pai dela compareceram no Palácio do Planalto.

A estudante de ciências políticas Illyusha Montezuma, 21, conta que foi agredida ao tentar participar da manifestação. “Fui pedir informação para um policial em cima de um cavalo para saber como passar pela barreira policial e fui empurrada, levei um tapa”, disse.

Na audiência, o ministro comentou a adesão em massa aos protestos. "Em relação ao conteúdo, temos que estar atentos para entender o porquê de uma adesão tão ampla e massiva. Temos que estar sensíveis; caso contrário vamos na contramão da história. Vale a pena estarmos atentos, para compreender e dar uma resposta adequada a esse novo tempo vivido pelo Brasil."

Carvalho afirmou ainda que não há previsão de nova reunião com os manifestantes, mas que medidas têm que ser tomadas para atender reivindicações. “O transporte de São Paulo há oito anos não renova a frota. Precisamos ser sensíveis com os gastos da Copa do Mundo, mas digo que gastamos mais com aeroportos do que com estádios. E os órgãos de investigação têm feito o possível para coibir a corrupção”, diz.

Por fim, o ministro elogiou a atuação da polícia em São Paulo, Rio de Janeiro e Distrito Federal. “A polícia só usou a força quando necessário. No caso, a tentativa de invasão do Congresso, da Alerj e do Palácio dos Bandeirantes. O processo ocorreu de maneira adequada”, diz. Carvalho não comentou ações em Minas Gerais e Porto Alegre,  que tiveram mais violência.    

  • Câmeras do UOL mostram protesto em SP em 30s

  • Veja imagens aéreas de protesto em São Paulo

  • Veja momento da invasão do Palácio Bandeirantes

  • Manifestantes gritam palavras de ordem pela paz

  • Quero um Brasil melhor, diz manifestante de 82 anos em São Paulo

Entenda

A insatisfação que levou milhares às ruas em São Paulo, Rio de Janeiro, Brasília e várias grandes cidades nos últimos dias, em manifestações que resultaram em inúmeros atos de violência, depredação e confrontos com a polícia, vai além do descontentamento com a elevação na tarifa do transporte público. E no momento em que o Brasil está sob os holofotes às vésperas de receber grandes eventos internacionais, o movimento ganha corpo e se espalha por outras capitais do país.

Em Brasília, segundo a Polícia Militar, cerca de 10 mil pessoas participaram da manifestação nesta segunda, com um leque de reivindicações bastante amplo. Os manifestantes ocuparam a marquise do Congresso Nacional por cerca de cinco horas.

Um dos organizadores do evento no Facebook entregou à polícia legislativa uma lista de reivindicações. Entre os itens, há um pedido para que a Câmara abra investigação sobre a violência policial contra os manifestantes.

Manifestantes ouvidos pelo UOL afirmaram que foram motivados por indignação contra a corrupção, contra  PEC (Proposta de Emenda Constitucional) que tira poderes de investigação do Ministério Público e contra os gastos na Copa do Mundo.

Desde a semana retrasada, manifestantes de São Paulo, em sua maioria jovens e estudantes, têm protestado contra o aumento de 20 centavos nas tarifas do transporte público em São Paulo --foi de R$ 3 para R$ 3,20. Autoridades descartam rever o preço e argumentam que o reajuste, inicialmente previsto para janeiro, foi postergado para junho e veio abaixo da inflação.

Logo os protestos começaram a se espalhar por outras capitais e grandes cidades do país.

OS PROTESTOS EM IMAGENS (Clique na foto para ampliar)

  • PM espirra spray de pimenta em manifestante durante protesto no Rio

  • Em Brasília, manifestantes conseguiram invadir a área externa do Congresso Nacional

  • Milhares de manifestantes tomam a avenida Faria Lima, em SP

  • Após protesto calmo em SP, grupo tenta invadir o Palácio dos Bandeirantes, sede do governo

  • Manifestantes tentam invadir o Palácio Tiradentes, sede da Assembleia Legislativa do Rio

Política