Topo

Doleiro liga Dilma e Lula à Petrobras, diz "Veja"; advogado não confirma

Reprodução
Capa da "Veja" divulgada a menos de 72 horas da eleição Imagem: Reprodução

Do UOL, em São Paulo

24/10/2014 08h28Atualizada em 24/10/2014 14h17

Segundo reportagem de capa da revista "Veja" divulgada parcialmente nesta quinta-feira (23), o doleiro Alberto Youssef disse em depoimento à Polícia Federal e ao Ministério Público em Curitiba que a presidente Dilma Rousseff e o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, ambos do PT, “sabiam de tudo” sobre o esquema de corrupção na Petrobras. Ouvido pelo jornal "O Globo", o advogado de Youssef, porém, diz não conhecer este depoimento.

Normalmente, a capa da revista é divulgada aos sábados, mas desta vez foi antecipada para ontem, a menos de 72 horas da eleição presidencial - no texto a "Veja" diz que não pretende com a reportagem "diminuir ou aumentar as chances de vitória de nenhum candidato". Pesquisas divulgadas ontem mostra Dilma liderando a corrida presidencial.

De acordo com a revista --que irá às bancas no sábado (25)-- o doleiro, que assinou um acordo de delação premiada para conseguir redução de pena, foi questionado sobre o nível de comprometimento de autoridades no esquema. “O Planalto sabia de tudo!”, teria dito. O delegado então perguntou a quem ele se referia: “Lula e Dilma”, foi a reposta de Youssef.

No horário eleitoral de hoje Dilma disse que a publicação faz "terrorismo eleitoral", e que "reponderá na Justiça" pelo que ela classifica como sendo um "crime". Já Lula disse que "não lê" a revista. "Eu não acho nada. O problema da 'Veja' é que só ela que fala", afirmou.

Segundo o texto, nenhuma prova destes fatos foi apresentada, já que nesta etapa do processo o objetivo das autoridades é verificar o grau de conhecimento do acusado com relação às irregularidades.

Na reportagem, "Veja" diz que um advogado de Youssef estava presente, mas não cita seu nome. Antonio Figueiredo Basto, que representa o doleiro no processo, confirmou que seu cliente prestou depoimento à PF na última terça-feira (21), mas afirmou não ter conhecimento da denúncia citada pela revista.

"Conversei com todos da minha equipe e nenhum fala isso. Estamos perplexos e desconhecemos o que está acontecendo. É preciso ter cuidado porque está havendo muita especulação", afirmou ao "Globo".

Basto diz ainda que “nunca ouvi nada que confirmasse isso [o envolvimento de Lula e Dilma]. Estou surpreso”, e que “não nego nem confirmo se esse depoimento é verdadeiro, se essa informação foi dada ou não e se sim, em quais circunstâncias”.

O doleiro, que está preso em Curitiba desde março, é acusado de ser um dos articuladores de um esquema de corrupção na estatal que teria desviado cerca de R$ 10 bilhões desde 2006 em contratos com diversas construtoras. 

Esta não seria a primeira vez que o doleiro cita Lula em um depoimento. À Justiça Federal no começo do mês, Youssef afirmou que o ex-diretor de Abastecimento da Petrobras Paulo Roberto Costa foi empossado no cargo, em 2004, após o então presidente Lula ceder à pressão de "agentes políticos" ligados ao esquema.

"Na época o presidente Luiz Inácio Lula da Silva ficou louco, teve que ceder e realmente empossar o Paulo Roberto Costa", disse o doleiro.

O líder da bancada do PT na Câmara à época da nomeação de Costa ao cargo de diretor de distribuição da Petrobras, o deputado Arlindo Chinaglia (SP) afirmou que o doleiro mentiu.