Operação Lava Jato

Crises afetam imagem do Brasil no exterior e confundem estrangeiros

Leandro Prazeres

Do UOL, em Brasília

  • Reprodução

Pouco mais de sete anos separam o Brasil que dava certo estampado na agora icônica capa da revista "The Economist" do Brasil da Lava Jato, do Zika vírus e da recessão. A operação da PF (Polícia Federal) contra o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) na última sexta-feira (4) foi o episódio mais recente de uma crise que, para especialistas estrangeiros no Brasil, está alterando a forma com o Brasil é visto no exterior. O UOL entrevistou dois brasilianistas para entender como a imagem do país é afetada pelas turbulências pelas quais o Brasil está passando.

O norte-americano Matthew Taylor é professor da American University em Washington. Seus primeiros contatos com o Brasil foram no início dos anos 90. Desde então, ele já escreveu três livros sobre o país, dois deles dedicados à corrupção e ao sistema judiciário. Seu livro mais recente, "Brazil on the Global Stage" ("Brasil no palco global", em tradução livre) faz uma análise sobre o papel desempenhado pelo país na esfera internacional.

Para Taylor, a comunidade internacional tem tido dificuldade para entender as mudanças passadas pelo país em um período tão curto de tempo.

"Até muito recentemente, o Brasil era visto como um país emergente, parte dos BRICS [grupo formado por Índia, Rússia, China e Brasil]. Era a fase áurea do governo Lula. Hoje, há um certo choque com a tripla crise vivida pelo Brasil: a econômica, a corrupção e a crise política. Foi uma mudança abrupta e quem está longe não entende", diz Taylor.

O também norte-americano David Fleischer vive no Brasil há mais de 20 anos. Ele é professor de Ciência Política UNB e diz que, há alguns meses, tem recebido e-mails de colegas de trabalho e amigos do exterior perguntando sobre o que está acontecendo com o Brasil.

"A imagem do Brasil hoje é muito negativa. Você tem a imagem de um país que, ao mesmo tempo, enfrenta uma crise econômica e uma crise política. A impressão é de que o país foi verdadeiramente saqueado. Recebo e-mail de pessoas na Europa me perguntado sobre como destruíram a Petrobras, por exemplo", afirma Fleischer.

Para Taylor, as simultâneas crises vividas pelo Brasil arranharam a imagem de país próspero e relevante que o país conquistou no início dos anos 2000 e podem prejudicar o país no longo prazo. O professor teme que a imagem negativa transmitida pelo país faça com que o Brasil perca espaço em fóruns internacionais.

"Infelizmente, todas essas coisas tendem a reforçar velhos estereótipos sobre o Brasil que existem em Washington, por exemplo. Os estereótipos de que o Brasil é o eterno país do futuro, de que o Brasil não é um país sério e onde a corrupção é endêmica. São conceitos injustos, mas que podem afetar os tomadores de decisão nos governos norte-americanos", disse Taylor. 

David Fleischer tenta evitar fazer previsões, mas ele acredita que o Brasil pode recuperar sua imagem no exterior se, entre outras coisas, a crise econômica for estancada.

"Acho que sim (o Brasil pode se recuperar). Tem economistas que avaliam que o Brasil tem esses ciclos de crescimento e depressão a cada 30 anos, mais ou menos. É cedo para dizer, mas acho que o Brasil consegue, sim, se recuperar", afirmou Fleischer.

Matthew Taylor reconhece o papel da economia em uma eventual retomada da imagem positiva do Brasil junto à comunidade internacional, mas afirma que esse processo terá de passar por reformas que vão além da economia. Para ele, a sociedade ainda não começou a debater as mudanças que a Operação Lava Jato mostraram ser necessárias como uma reforma profunda no sistema político e na forma como o Estado e as empresas se relacionam.

"Ainda não chegamos no ponto de debate. Vai demorar muitos anos. Primeiro teremos que chegar a esse ponto, depois desenvolver o debate, resolvê-lo e depois implementar as reformas. Eu não ousaria dizer quantos anos isso vai demorar", avalia Taylor.

Em meio a tantas incertezas, Taylor disse desejar que o Brasil não perca as chamadas "oportunidades" criadas por todas as crises pelas quais o país passa.

"Seria uma pena perder este momento de crise. Os sistemas políticos são muito ruins em se autorreformar em todos os países do mundo, mas acho que se houver uma ampla pressão da população, talvez isso tenha um efeito salutar", afirma.

Como a Lava Jato chegou a Lula

  •  

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos