Alan Marques/Folhapress

Processo de impeachment

Comissão do impeachment tem maioria "novata" e fiel ao governo em votações

Carlos Madeiro

Colaboração para o UOL, em Maceió

  • André Dusek/Estadão Conteúdo

    Reunião da Comissão de Impeachment, na Câmara dos Deputados, em Brasília, na tarde desta segunda-feira (21)

    Reunião da Comissão de Impeachment, na Câmara dos Deputados, em Brasília, na tarde desta segunda-feira (21)

A maioria dos deputados que compõem a comissão especial que analisa o pedido de abertura de impeachment na Câmara está na primeira ou na segunda legislatura e votou a favor do governo em mais de 80% das medidas provisórias enviadas pelo executivo nessa legislatura.

Segundo levantamento feito pelo UOL, dos 65 deputados titulares, 17 estão em sua primeira legislatura e já encaram o desafio de integrar o grupo que vai ajudar a decidir o futuro da presidente Dilma Rousseff. Já outros 16 estão em seu segundo mandato --totalizando 33 dos 65 nomes com menos de seis anos na casa.

A escolha por deputados inexperientes foi primordialmente feita por partidos com menor representação na Câmara. Exemplo disso são Rede, PV, PPS, PTN, PHS e PEN, que indicaram seus únicos integrantes a que tiveram direito um deputado de primeira viagem.
 
Entre os maiores partidos, a tendência foi indicar parlamentares com maior experiência. Um exemplo é o PT, que indicou quatro dos oito deputados para a comissão a partir da quarta legislatura. 

Votando com o governo

O economista e doutorando em direito Bruno Carazza dos Santos fez um levantamento sobre os votos dos deputados nas votações de medidas provisórias do governo federal. Ao todo, 33 votaram a favor em mais de 80% das vezes das 81 MPs analisadas na atual legislatura. Seis desses integrantes votaram com o governo em 100% dos casos.

Já o grupo mais opositor é formado por 23 parlamentares, que têm índices de alinhamento com governo nas votações inferior a 50%. Nove deputados votaram com o governo entre 50% e 80% dos casos.

"Embora o governo leve vantagem segundo esse critério, é preciso dizer que a votação de impeachment tem um peso diferente de votações de medidas provisórias. Pela sua repercussão sobre a situação política atual do país, e os seus reflexos nos planos econômico e social, é necessário analisar a questão sob outros prismas", analisa o economista, em seu blog.

O levantamento do economista também mostra que 36 exerceram cargos de liderança ou vice-liderança de bancadas partidárias.
Sobre a inexperiência, o economista analisa que isso pode demonstrar controle do voto dos caciques do Congresso.

"Partindo do pressuposto de quanto mais sênior maior a independência do parlamentar, arrisco a dizer que essa combinação de pouca experiência parlamentar com baixa ascensão sobre os quadros do partido indica que os membros da Comissão terão pouca liberdade para conduzir os trabalhos e votar o relatório sem o consentimento dos comandantes de seu partido", disse.

Entre gritos, Câmara aprova comissão especial do impeachment

  •  

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos