PUBLICIDADE
Topo

Política

Após caminhada pacífica, protesto em SP acaba com bombas e vandalismo

No fim do ato realizado em São Paulo, manifestantes queimam caixão com foto de Michel Temer (PMDB) no Largo da Batata - Werther Santana/Estadão Conteúdo
No fim do ato realizado em São Paulo, manifestantes queimam caixão com foto de Michel Temer (PMDB) no Largo da Batata Imagem: Werther Santana/Estadão Conteúdo

Mirthyani Bezerra

Do UOL, em São Paulo

04/09/2016 21h59

O protesto contra o governo Michel Temer e por eleições diretas em São Paulo acabou com uma dispersão violenta com bombas e jatos d´água e depredação, após uma caminhada de pacífica de cerca de 4 horas.

Por volta das 21h, após os manifestantes queimarem um caixão com a foto do presidente, as lideranças começaram a pedir para que todos se dispersassem. Nesse momento, policiais militares soltaram bombas de gás lacrimogêneo e jatos d´água, enquanto alguns poucos manifestantes, com os rostos escondidos, jogaram garrafas contra os policiais. A porta de uma agência bancária ficou estilhaçada e algumas lixeiras quebradas.

O fotógrafo Maurício Camargo, da Agência Eleven do Rio de Janeiro, foi ferido por uma bala de borracha na perna esquerda. Manifestantes tentaram socorrê-lo. Uma mulher que estava em um ônibus passou mal com as bombas. Outros manifestantes também foram atingidos.

O repórter da BBC Brasil Felipe Souza disse nas redes sociais que foi agredido com golpes de cassetete por policiais, mesmo depois de se identificar como jornalista.

Com a confusão, pessoas de várias idades começaram a correr para evitar ser atingidos. Pessoas ocuparam bares na região para se proteger. A tropa de choque se dividiu em duas: uma seguiu para a direção da margina Pinheiros e outra para a rua Cardeal Arcoverde.

Segundo a Polícia Militar, nove pessoas foram detidas e encaminhadas para o Deic (Departamento Estadual de Investigações Criminais). Nas redes sociais, integrantes de movimentos sociais dizem que 27 pessoas foram detidas. Segundo o Twitter da PM, "em manifestação inicialmente pacífica, vândalos atuam e obrigam PM a intervir com uso moderado da força / munição química".

Após a confusão, manifestantes discutiram com o comandante da operação, coronel Henrique Motta. "Eu não tenho lado, eu sou do Estado, eu defendo a lei e a ordem", disse o policial, que argumentou que a ação aconteceu por causa de pessoas mascaradas que estavam no protesto.


São Paulo tem maior ato contra Temer

O atual presidente Michel Temer (PMDB) foi alvo de manifestações neste domingo em capitais como São Paulo, Rio de Janeiro, Salvador e Curitiba. A capital paulista teve o maior ato, que reuniu cerca de 100 mil pessoas, segundo seus organizadores. A PM não divulgou estimativas.

Os atos tiveram um pedido em comum: o pedido por novas eleições, após ser consumado o impeachment de Dilma Rousseff (PT) em votação feita por senadores na última quarta (31).

O protesto foi pacífico durante todo o trajeto da avenida Paulista até o largo da Batata, na zona oeste. No final, policiais militares soltaram bombas de gás lacrimogêneo e jatos d´água, enquanto as lideranças da manifestação pediam para a multidão dispersar. A porta de uma agência bancária ficou estilhaçada e algumas lixeiras quebradas.

O início da manifestação foi no vão livre do Masp, principal palco de atos na cidade, após a passagem da tocha paraolímpica.

Por volta das 17h, os organizadores estimavam o público em mais de 50 mil pessoas. O número foi ampliado para 100 mil pela organização pouco mais tarde. A Polícia Militar não fez estimativa do público até as 19h.

A via tinha manifestantes por toda a extensão, mas com concentração maior na região do Masp, entre a praça do Ciclista e a avenida Brigadeiro Luís Antônio. Os manifestantes seguiram da Paulista para o largo da Batata, pela avenida Rebouças. No final do protesto, foi queimado um caixão com foto do presidente Michel Temer.

Política