Manifestantes trocam provocações em atos simultâneos na Paulista

Do UOL, em São Paulo*

A avenida Paulista, em São Paulo, foi palco de dois atos simultâneos neste domingo (23) marcados para o mesmo local, o vão livre do Masp (Museu de Arte de São Paulo). As manifestações culminaram em trocas de provocações entre os dois grupos e com cordão de isolamento da Polícia Militar no meio da avenida separando os dois atos.

Marcelo D. Sants/Estadão Conteúdo
Manifestantes protestam na Paulista e pedem prisão do ex-presidente Lula (PT)

De um lado, cerca de 200 manifestantes, em sua maioria com roupas nas cores do Brasil, protestavam pedindo a prisão do ex-presidente Lula (PT) e do presidente do Senado Renan Calheiros (PMDB). O evento no Facebook, convocado por grupos de direita, ainda citava apoio à Operação Lava Jato, pedia o fim do foro privilegiado e era contra o projeto de lei do abuso de autoridade.

O outro ato foi organizado por grupos feministas e movimentos sociais. A causa do protesto era apoiar os recentes protestos feitos na Argentina contra o feminicídio. Atos iniciados no país vizinho se espalharam pela América do Sul após a morte brutal de uma jovem de 16 anos que foi drogada e estuprada.

As militantes feministas seguiram em passeata pela rua Augusta até a praça Roosevelt. "Não são crimes passionais. Não são homicídios apenas. São assassinatos que as vítimas sofrem por serem mulheres", disse a coordenadora de juventude da União Brasileira de Mulheres, Maria das Neves, para explicar a diferença entre um feminicídio e um homicídio comum.

Cris Faga/Fox Press Photo/Estadão Conteúdo
Ato de grupos feministas na Paulista foi organizado após morte de garota de 16 anos na Argentina

 

Para combater os assassinatos de mulheres, Maria das Neves defende a divulgação da lei que qualifica o feminicídio como crime hediondo e delegacias da mulher que funcionem 24h. A ativista disse que o Brasil é um dos países com maior número de homicídios praticados especificamente contra mulheres.

Apesar de o caso ter acontecido no país vizinho, a estudante Manuela Pires, de 14 anos, diz que esse tipo de violência é também recorrente no Brasil. "Eu acho que o perigo e todas essas coisas que a gente está vendo na Argentina, são coisas que acontecem todos os dias na nossa rua, do lado de casa", disse a jovem, que foi ao ato com as companheiras de um coletivo feminista formado na escola onde estuda.

"A gente está aqui com uma geração de mulheres que está lutando muito para mudar isso, para fazer com que a gente consiga andar por aí de cabeça erguida. Consiga não se intimidar e ter uma irmandade entre todas as mulheres para que todo mundo tenha voz", disse.

Marcados para o mesmo horário e no mesmo local, os dois protestos inevitavelmente se encontraram e houve troca de provocações. Enquanto os manifestantes com as cores nacionais entoavam cânticos contra Lula e provocavam o ato feminista, o outro grupo, na maioria de jovens e mulheres, respondia com "fora, Temer" e gritos de "golpistas".

A Polícia Militar criou um cordão de isolamento entre os dois atos para evitar possíveis confrontos. Mesmo assim, as provocações seguiram. Os dois lados ainda portavam cartazes defendendo suas respectivas causas. (Com informações da Agência Brasil)

 

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos