PF solta diretor da Polícia Legislativa do Senado

Do UOL, em São Paulo

  • Edilson Rodrigues 31.out.2014/Agência Senado

    Pedro Ricardo Araújo Carvalho foi preso na última sexta-feira (21)

    Pedro Ricardo Araújo Carvalho foi preso na última sexta-feira (21)

O diretor da Polícia Legislativa do Senado, Pedro Ricardo Araújo Carvalho, foi solto nesta terça-feira (25) pela Polícia Federal. Carvalho saiu da prisão em Brasília perto de meia-noite, segundo investigadores da PF.

Ele e outros três policiais legislativos do Senado foram presos temporariamente na última sexta-feira durante a Operação Métis, deflagrada para desarticular suposto esquema de contrainteligência executado por policiais do Senado para favorecer senadores alvo de investigações.

O prazo da prisão temporária de Carvalho --de cinco dias-- venceu e não houve pedido de renovação. Os outros três policiais já haviam saído da prisão antes de Carvalho.

Segundo as investigações, eles são suspeitos de localizar e destruir escutas telefônicas autorizadas pelo STF (Supremo Tribunal Federal) na casa de senadores.

Boechat: Senado não é inviolável, como disse Renan

Varredura em residência de Cunha

Responsável por denunciar a atuação de Carvalho, o policial legislativo Paulo Igor Bosco Silva contou à PF que, em meados de 2014, soube que o diretor da Polícia Legislativa do Senado passou a solicitar aos seus subordinados a realização de varreduras de captação ambiental não só em gabinetes do Senado, mas também em residências oficiais e particulares e nos escritórios políticos de senadores.

Em depoimento prestado à PF, Carvalho disse que, a pedido do deputado cassado Eduardo Cunha (PMDB-RJ), policiais legislativos fizeram uma varredura na residência oficial da Presidência da Câmara à procura de dispositivos de escuta ambiental e telefônica.

O pente-fino na residência ocupada por Cunha ocorreu, segundo ele, depois que a Polícia Federal cumpriu mandado de busca e apreensão no imóvel, em dezembro do ano passado, numa das etapas da Operação Lava Jato.

Crise entre Poderes

O presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), acusou a PF de ter se valido de "métodos fascistas" nunca adotados sequer na "ditadura" na operação que levou a prisão dos policiais legislativos da Casa.

Renan chamou o ministro da Justiça, Alexandre Moraes, de "chefete de polícia" e ainda classificou o juiz Vallisney de Souza Oliveira, responsável pela operação, de "juizeco" por decretar uma ordem contra o Senado.

No dia seguinte, a presidente do STF (Supremo Tribunal Federal), ministra Cármen Lúcia, rebateu as críticas do presidente do Senado. "Onde um juiz for destratado, eu também sou", declarou a magistrada. A ministra declarou ainda que o Judiciário exige respeito dos demais poderes da República. (Com Estadão Conteúdo)

Após crítica de Renan, Cármen Lúcia defende juízes

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos