Cabral nega "taxa de oxigênio" e diz ter comprado joias para mulher com sobras de campanha

Paula Bianchi

Do UOL, no Rio

  • Divulgação/Justiça Federal

    Essa foi a primeira vez que Cabral foi ouvido por Bretas

    Essa foi a primeira vez que Cabral foi ouvido por Bretas

A audiência para depoimento do ex-governador Sérgio Cabral à Lava Jato no Rio de Janeiro durou apenas 20 minutos nesta quarta-feira (24). No início da audiência, às 13h15, a defesa de Cabral informou que o ex-governador iria exercer parcialmente seu "direito ao silêncio" e responder apenas às perguntas feitas por seus advogados. Ele também respondeu aos advogados de sua mulher, Adriana Ancelmo, em prisão domiciliar.

Bretas passou a palavra à defesa que questionou Cabral sobre o recebimento de vantagens indevidas de construtoras e da chamada "taxa de oxigênio". Cabral limitou-se a responder que não tinha conhecimento dessa taxa tampouco foi beneficiado por ela.

O ex-governandor, no entanto, admitiu que utilizou "sobras de campanha eleitoral" para comprar joias para Adriana. As peças, segundo ele, eram pagas em dinheiro nas lojas H. Stern e Antonio Bernardo em datas festivas.

Segundo o ex-governador, a esposa dele não tinha nenhum conhecimento dos negócios entre o Estado e as empreiteiras, se reuniu com empresários em seu nome e "jamais" soube como eram pagas as joias. 

Essa foi a primeira vez que Cabral foi ouvido pelo juiz Marcelo Bretas, da 7ª Vara Federal Criminal do Rio, no âmbito da operação Calicute, braço da Lava Jato no Rio de Janeiro. Preso desde novembro, o ex-governador é réu em nove processos --oito no Rio e um em Curitiba. 

O ex-governador foi ouvido no auditório da Justiça Federal, na zona portuária do Rio. Cabral responde pelos crimes de corrupção passiva, lavagem de dinheiro e pertinência a organização criminosa no processo da Operação Calicute. Foi o último interrogatório relacionado ao processo, que pode ter sentença até julho.

Extremamente magro, ele aparentava estar abatido e evitou olhar para a plateia, formada por jornalistas, advogados e procuradores do MPF.

De acordo com os investigadores da Operação Calicute, a taxa de oxigênio seria a suposta propina paga por empreiteiras dentro da Secretaria de Obras do Estado. O Ministério Público Federal afirma que as propinas eram entregues na forma de mesada. 
 
Segundo investigadores, a Andrade Gutierrez pagava R$ 350 mil por mês e a Carioca Engenharia, R$ 500 mil a partir do segundo mandato do ex-governador --no primeiro mandato a propina era R$ 200 mil por mês.
 
Nesta terça-feira (23), o juiz aceitou a nona denúncia do Ministério Público Federal (MPF) contra o ex-governador. Ele é acusado de receber R$ 39 milhões de propina da Carioca Engenharia em troca de fraudes em licitações e superfaturamento de obras públicas.

 

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos