Rocha Loures devolve R$ 35 mil que faltavam de mala com R$ 500 mil

Felipe Amorim

Do UOL, em Brasília

  • Bruno Santos/Folhapress

    Rocha Loures devolveu a mala com R$ 465 mil, faltando R$ 35 mil

    Rocha Loures devolveu a mala com R$ 465 mil, faltando R$ 35 mil

Após entregar à Justiça uma mala com dinheiro supostamente de propina na qual faltavam R$ 35 mil, dos R$ 500 mil recebidos da JBS, o deputado afastado Rodrigo Rocha Loures (PMDB-PR) comunicou nesta quinta-feira (25) ao STF (Supremo Tribunal Federal) que depositou a quantia em juízo.

Os advogados de Loures informaram ao ministro Edson Fachin, relator da investigação no Supremo, que depositaram ontem R$ 35 mil em conta da Caixa Econômica destinada à guarda judicial do valor.

Ex-assessor do presidente Michel Temer (PMDB), Rocha Loures foi acusado por Joesley Batista, um dos donos da JBS, de ter recebido os R$ 500 mil de propina.

Operação da Polícia Federal deflagrada a partir da delação premiada de Joesley flagrou em vídeo o deputado recebendo a mala com R$ 500 mil entregue por um executivo da JBS.

Segundo Joesley, Rocha Loures foi indicado por Temer como pessoa de confiança do governo com a qual o empresário poderia tratar de questões de interesse da empresa.

A mala na qual foi entregue o dinheiro a Rocha Loures foi entregue à Justiça na última segunda-feira (22), mas, segundo informou a Polícia Federal, nela havia apenas R$ 465 mil em espécie.

Temer tem negado ter participado ou ter conhecimento de práticas ilegais. Os advogados do presidente dizem que ele tem pressa na tramitação do inquérito para que o caso seja esclarecido.

Temer passou a ser investigado em inquérito no STF por decisão do ministro Fachin, que aceitou o pedido de abertura da investigação feito pela PGR (Procuradoria-Geral da República).

Também são investigados nesse inquérito o senador Aécio Neves (PSDB-MG) e Rocha Loures, ambos afastados do mandato.

A PGR disse ver indícios do recebimento de propina paga pela JBS e da tentativa de interferir em investigações.

Além disso, a partir da gravação da conversa entre Joesley e Temer, a Procuradoria afirmou acreditar que o presidente deu aval para que o empresário comprasse o silêncio do ex-deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ), preso e condenado no curso da Operação Lava Jato.

Temer contesta essa interpretação da conversa, e já classificou a gravação como "fraudulenta", "clandestina" e "manipulada"

Aécio negou a participação em irregularidades e disse estar "absolutamente tranquilo quanto à correção de todos os seus atos".

Vídeo mostra deputado ligado a Temer recebendo propina

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos