Temer chama russos de "soviéticos" e diz que "nada o destruirá"

Luciana Amaral

Do UOL, em Brasília

O presidente da República, Michel Temer, afirmou nesta segunda-feira (26) que nada o "destruirá" ao citar as medidas econômicas propostas pelo governo, como o Teto de Gastos, que limita os gastos públicos pelos próximos 20 anos. "Não há plano B, há que se seguir adiante. Portanto, nada nos destruirá. Nem a mim nem a nossos ministros", afirmou.

A fala de Temer acontece na véspera à apresentação de denúncia contra ele por parte do procurador-geral da República, Rodrigo Janot. Segundo a expectativa do próprio Planalto, a denúncia deve ser feita até esta terça-feira (27), primeiramente por corrupção passiva. O presidente também pode vir a ser denunciado por obstrução à Justiça e organização criminosa. Temer já é alvo de inquérito pelos supostos três crimes no STF (Supremo Tribunal Federal).

Com baixíssima popularidade, o presidente Michel Temer se ampara na retomada da indústria e da geração de empregos para se sustentar no cargo. No sábado, pesquisa Datafolha mostrou que Temer está com o pior índice de aprovação entre presidentes nos últimos 28 anos. A aprovação atual do governo Temer é de 7%, menor índice desde 1989. Na época, com a crise da hiperinflação, o então presidente José Sarney contava com 5% de aprovação dos entrevistados.

A declaração de Temer hoje foi dada durante cerimônia no Palácio do Planalto para sancionar a lei que regulamenta a prática de diferenciação de preços de acordo com a forma ou o prazo de pagamento escolhidos. Apesar de praticada no dia a dia, antes da MP (Medida Provisória) publicada em 27 de dezembro do ano passado, a legislação não autorizava comerciantes a dar descontos aos consumidores que pagassem à vista ou cobrar mais caro de quem pagasse no cartão de crédito, por exemplo.

Para o presidente, a política de diferenciação de preços e a abertura de vagas de emprego era, "há pouco mais de um ano", ou seja, antes de ele assumir a Presidência efetivamente, "uma miragem, um sonho". Segundo ele, o país estava em uma crise "seríssima" e com a economia "um pouco fora dos trilhos".

"Agora temos direção. Não me canso de falar que o Brasil está nos trilhos, no caminho da responsabilidade e na rota da superação", afirmou.

Neste domingo (25), Temer se reuniu com ministros, líderes do governo e o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM), no Palácio da Alvorada. Segundo a assessoria da Presidência, o encontro foi convocado para discutir a pauta de votações no Congresso Nacional.

No evento no Planalto, Michel Temer ainda criticou os governos passados ao dizer que, segundo relatos a ele, vários pleitos eram esperados há 10 anos ou mais. Ele então citou estudos de 2011 que demonstram que a proibição da diferenciação de preços, por exemplo, é um "subsídio" em desfavor da população mais pobre.

"Apesar do diagnóstico à época, nada foi feito [...] [O aplauso da plateia] Revela a verdade do que estamos fazendo. Nem todos entendem bem isso. As pessoas às vezes tomam outros caminhos, mas vamos produzindo pelo país", disse, sem citar nomes.

No entanto, a fala acontece no mesmo dia em que o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB) pediu, em artigo publicado na "Folha de S.Paulo", que Temer encurte seu mandato. Com a medida, defendeu FHC, o peemedebista "ganhará a anuência da sociedade para conduzir a reforma política e presidir as novas eleições".

No final da tarde, após receber as chamadas cartas credenciais de 13 embaixadores estrangeiros, Temer foi questionado por jornalistas sobre o pedido de FHC. Em reposta, Temer limitou-se a dizer "olha o sorriso" ao se referir ao próprio sorriso depois da pergunta.

Interesse extraordinário dos empreendimentos soviéticos

O presidente também cometeu nova gafe em seu discurso, chamando empresários russos de "soviéticos".

"Estive agora recentemente em Moscou, na Rússia, e depois na Noruega, e verifiquei o interesse extraordinário dos empreendimentos soviéticos, o deputado Perondi lá esteve em nossa comitiva, e nós pudemos verificar o interesse extraordinárioa de empresários soviéticos e noruegueses, no nosso país. pelo que está acontecendo no país", declarou Temer, que voltou de viagem à Rússia e à Noruega no último sábado.

Antes de embarcar, a agenda oficial de Temer já havia cometido a gafe. No último dia 19, a agenda divulgada pelo Planalto anunciou em seu site a visita de Michel Temer à "República Socialista Federativa Soviética da Rússia", denominação que deixou de ser usada em 1991 após o fim da URSS (União das Repúblicas Socialistas Soviéticas).

Câmara precisa aprovar denúncia para o presidente ser afastado? Entenda

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos