Renan renuncia à liderança do PMDB e diz que não será "marionete" do governo Temer

Luciana Amaral

Do UOL, em Brasília

O senador Renan Calheiros (PMDB-AL) renunciou nesta quarta-feira (28) à liderança do PMDB no Senado. Em discurso no plenário, o político voltou a criticar o governo Temer, como vinha fazendo há semanas, e disse que não tem "vocação para marionete".

"Senhoras e senhores, deixo a liderança do PMDB" foi a primeira frase do senador. "Devolvo o honroso cargo que me confiaram. Procurei exercer [a liderança] com dignidade, sempre orientado pelos objetivos mais permanentes do país".

Renan disse que renuncia por não compactuar com as ideias do governo e as reformas propostas pelo poder Executivo, especialmente a trabalhista. "Não odeio Michel Temer. Isso não é verdade. O que não tolero é sua posição covarde diante do desmonte da Consolidação das Leis do Trabalho [CLT]".

"Não estou disposto a liderar o PMDB atuando contra os trabalhadores e estados mais pobres da Federação", disse ele. "Não vou ceder a um governo que trata o partido como um departamento do poder Executivo (...). Não tenho a menor vocação para marionete. O governo não tem credibilidade para concluir essas reformas exageradas e desproporcionais".

O político ainda criticou o que chamou de "degradação" do bicameralismo e disse que os parlamentares entraram em um ambiente de "intrigas, provocações, ameaças e retaliações" que seriam impostas pelo Planalto. Para Renan, há a supressão de debate de ideias e a perseguição de deputados e senadores.

Questionado mais tarde por jornalistas, já fora do plenário, se teria sofrido ameaças de retaliação por parte do Planalto, Renan negou "porque eu sempre estive distante do jogo do balcão".

Em seu discurso, Renan Calheiros afirmou que sua renúncia o liberta de uma "âncora pesada e injusta". "Me afasto para expressar meu pensamento e exercer minha função com total independência".

Apesar da briga interna no PMDB, Renan negou que tenha pretensões de sair do partido. O senador também falou que não defende a renúncia de Temer ao cargo de presidente, mas acredita que ele deve promover uma transição política e institucional. "Não defendo a permanência do presidente Michel Temer pela permanência nem sua saída pela saída. Acho que precisa aproveitar a oportunidade para construir a transição para garantir avanços institucionais", explicou.

Renan ainda alfinetou a baixa popularidade de Michel Temer – cujo governo conta com 7% de aprovação, segundo última pesquisa Datafolha –, dizendo que antes 80% da população o conhecia, mas depois que 100% dos brasileiros tomaram conhecimento de seu governo, Temer passou a ter rejeição "absoluta, universal".

Crítica à possível influência de Eduardo Cunha

Falando na tribuna do plenário, Renan também voltou a atacar uma suposta influência direta do ex-deputado cassado Eduardo Cunha (PMDB-RJ), que está preso, no governo Temer. De acordo com o senador, "os últimos acontecimentos comprovam sua total influência no governo".

"É compondo lideranças no recesso do carnaval, nomeando ministros, dando as ordens diretamente do presídio e apequenando o presidente cuja República periclita em suas mãos", acusou. 

Como exemplo, Renan citou a suposta intenção do Planalto em substituir a advogada-geral da União, Grace Mendonça, por um nome defendido por Cunha. "Foi obrigado por força de outra atitude atabalhoada a recuar na iminência da decisão", falou.

Segundo Renan, Cunha queria colocar o atual subchefe de Assuntos Jurídicos da Casa Civil, Gustavo do Vale Rocha, na AGU. Rocha já atuou como advogado do deputado casado e do próprio Temer no caso do hacker ao celular da primeira-dama Marcela Temer.

Eunício já havia antecipado decisão de Renan

Mais cedo, o presidente do Senado, Eunício Oliveira (PMDB-CE), havia afirmado que Renan Calheiros (PMDB-AL) renunciaria porque se "perdeu o ambiente".

"[Renan] esteve comigo ontem (27) e na conversa que nós tivemos ele me disse que tinha perdido o ambiente de liderar a bancada e achava melhor ir cuidar do mandato", contou Eunício antes de entrar no plenário nesta quarta. "Por esse motivo ele iria fazer um pronunciamento e na sequência faria uma reunião da bancada para a decisão final, que é da escolha da saída dele e da escolha de um novo líder", declarou.

Na avaliação de Eunício, a saída de Renan não tem "nada a ver" com o aprofundamento da crise política no país que atinge principalmente o presidente da República Michel Temer desde a revelação da delação de executivos e ex-executivos da JBS, em 17 de maio.

"Pelo contrário, acho que o Renan está tendo a grandeza de pedir para sair exatamente para unificar e harmonizar a bancada", argumentou.

Antes de discursar, Renan se sentou ao lado de Eunício na mesa da Presidência do plenário e tiraram selfies com o celular. Após os sorrisos para a câmera, Eunício mostrou as fotos para auxiliares próximos.

Bate-boca com Jucá indicou renúncia

Na terça-feira, Renan teve um bate-boca ríspido com o presidente do PMDB, senador Romero Jucá (RR), que o ameaçou de tirá-lo da liderança do partido no Senado caso Renan quisesse votar contra a reforma trabalhista. O alagoano retrucou e disse que se fosse para tirar direitos dos trabalhadores, preferiria deixar a liderança da legenda.

Ao longo das últimas semanas, Renan Calheiros tem feito diversas críticas ao governo Temer. No discurso de ontem, no plenário, acusou o presidente de se render aos desmandos de um "presidiário de Curitiba", referindo-se a Eduardo Cunha, e disse que Michel Temer deveria seguir uma sugestão do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (PSBD) e renunciar ao mandato.

Veja como foi o bate-boca entre Renan e Jucá na quarta-feira

Cotados para sucessão rejeitam possível indicação

Nesta tarde, antes da renúncia oficial de Renan Calheiros à liderança do PMDB, o senador Jader Barbalho (PMDB-PA) lamentou a decisão do alagoano e avisou que não aceitaria assumir a função.

"Não tenho absolutamente nenhum interesse de assumir a liderança. Eu prefiro colaborar com o Senado e o País sem ter qualquer cargo", afirmou ele.

O nome de Barbalho estava sendo considerado nos bastidores como um dos cotados para substituir Renan na liderança da sigla. Outro cotado para a função, senador Garibaldi Alves (RN), também avisou que vetou o seu nome na disputa pela liderança do partido.

Agora, os nomes com mais força são os de Raimundo Lira (PB) e Kátia Abreu (TO). A reunião da bancada do PMDB para discutir o novo líder do partido estava marcada para as 18h desta quarta-feira, mas foi adiada para as 19h da próxima terça (4).

Renan Calheiros não indicou um nome de preferência para substituí-lo. "O PMDB não tem dificuldade com nomes. O PMDB tem excesso de bons nomes. Todos são de minha preferência", complementou.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos