Operação Lava Jato

Cabral reage indignado ao negar propina sobre contratos: "Que maluquice é essa?"

Hanrrikson de Andrade

Do UOL, no Rio

  • Rodrigo Félix/Agência de Notícias Gazeta do Povo/Estadão Conteúdo

    10.12.2016 - Cabral é conduzido por agentes da PF para exame no IML de Curitiba

    10.12.2016 - Cabral é conduzido por agentes da PF para exame no IML de Curitiba

O ex-governador do Rio de Janeiro Sérgio Cabral (PMDB), preso sob acusações de corrupção, lavagem de dinheiro e outros crimes apurados no âmbito da Operação Lava Jato, voltou a reconhecer ter recebido recursos ilícitos de "sobras de campanha", ato conhecido como caixa dois. Em depoimento ao juiz Marcelo Bretas, da 7ª Vara Federal Criminal (RJ), nesta segunda-feira (10), ele disse ainda não ter cobrado propina em cima de contratos públicos, conforme narram as denúncias oferecidas pelo MPF (Ministério Público Federal).

De acordo com as investigações, o ex-governador era o chefe de um grandioso esquema de corrupção, que teria desviado milhões dos cofres públicos no período em que ele esteve à frente do Executivo (entre 2007 e 2014). Havia, segundo os inquéritos da Lava Jato, uma cobrança padrão de 5% de propina em todos os contratos relativos a grandes obras.

"Nunca houve 5%. Que 5% é esse? Que maluquice é essa?", respondeu o réu ao ser questionado pelo juiz da 7ª Vara.

O peemedebista também negou as informações dadas por Ary Ferreira da Costa Filho, agente fazendário e ex-assessor de Cabral, que também prestou depoimento nesta segunda. Ary afirmou à Justiça ter recebido entre R$ 9 milhões e R$ 10 milhões de sobras de campanha.

"Faça-me o favor, porque eu nunca soube disso", declarou o ex-governador, completando em seguida que a origem do dinheiro deveria ser questionada diretamente ao ex-assessor.

Cabral também foi questionado por Bretas a respeito da relação íntima entre agentes públicos e pessoas jurídicas que realizam doações de campanha. Na visão do magistrado, ainda que as contribuições sejam legais, há um caráter de ilegitimidade nesse tipo de relacionamento. O ex-governador respondeu que isso era "normal", desde que a autoridade soubesse "discernir" e "separar as coisas". "Basta um governante separar um assunto do outro. Isso eu fiz e posso garantir isso", declarou.

Essa foi a primeira vez que Sergio Cabral respondeu a perguntas formuladas pela Justiça e pelo Ministério Público Federal. Nos dois interrogatórios anteriores dos quais participou, com o juiz Sérgio Moro, em Curitiba, e outro com o próprio juiz Marcelo Bretas, no Rio, o réu havia se posicionado apenas em relação às questões formuladas pela defesa. Segundo o advogado de Cabral, Rodrigo Roca, a estratégia será alterada a partir de agora.

"Foi a primeira vez de muitas", disse Roca, ao informar que Cabral não se furtará mais de responder.

A audiência desta segunda-feira se refere à Operação Mascate, deflagrada em fevereiro e que teve como alvos principais o ex-governador, que já estava preso desde novembro, e seu ex-assessor, o agente fazendário Ary Ferreira da Costa Filho, detido na ocasião.

A ação, realizada no âmbito da força-tarefa da Operação Lava Jato no Rio, foi resultante de investigação sobre operações de lavagem de dinheiro avaliadas em cerca de R$ 10 milhões, dos quais R$ 8 milhões teriam ido para Cabral. Os crimes eram feitos, segundo o MPF, a partir de compra de imóveis e outras transações financeiras.

Além de Cabral e Costa Filho, o réu Carlos Miranda, apontado na Justiça como operador financeiro do ex-chefe do Executivo fluminense, participou da audiência nesta segunda. No entanto, orientado pela defesa, ele optou por ficar em em silêncio.

No âmbito da Operação Lava Jato, Cabral responde a 12 processos criminais, sendo 11 no Rio e apenas um --referente a denúncias de corrupção nas obras do Comperj (Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro, da Petrobras) na 13ª Vara Federal Criminal (Paraná), do juiz Sérgio Moro. Neste último, ele foi condenado a 14 anos e dois meses de prisão.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos