STF autoriza PF a acessar dados de celular de coronel amigo de Temer

Felipe Amorim*

Do UOL, em Brasília

  • Denise Guimarães/ Folhapress

    No final de julho, cerca de 800 sem-terra invadiram a fazenda Esmeralda, do coronel João Baptista Lima

    No final de julho, cerca de 800 sem-terra invadiram a fazenda Esmeralda, do coronel João Baptista Lima

O ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) Edson Fachin autorizou nesta terça-feira (8) que peritos da Polícia Federal realizem os procedimentos necessários para extrair dados do telefone celular do coronel aposentado João Batista Lima Filho, amigo do presidente Michel Temer (PMDB).

A Polícia Federal havia pedido autorização ao ministro para que peritos do INC (Instituto Nacional de Criminalística) realizassem os procedimentos técnicos para a recuperação de dados do aparelho. O coronel teve o celular apreendido durante a Operação Patmos, deflagrada a partir das delações da JBS, que levaram à denúncia por corrupção contra o presidente Temer.

Segundo a Polícia Federal, não foi possível ter acesso à totalidade de mensagens de e-mail e de WhatsApp do aparelho. 

Coronel da Polícia Militar aposentado, João Baptista Lima já foi assessor de Temer e frequenta a residência do presidente da República. Os dois se encontraram na casa do peemedebista em São Paulo, por exemplo, dias após a divulgação das delações premiadas de executivos da Odebrecht. A sede da empresa de arquitetura da qual Lima é sócio, Argeplan, em São Paulo, foi um dos alvos de busca na operação Patmos. A empresa faz parte de um consórcio que ganhou concorrência para executar serviços relacionados à usina de Angra 3 - cujas obras são investigadas na Operação Lava Jato.

O coronel Lima trabalhou com Temer quando o hoje presidente foi secretário de Segurança Pública de São Paulo, nos governos Franco Montoro (1983-1987) e Luiz Antônio Fleury Filho (1991-1995). Lima também atuou em campanhas do peemedebista.

A reportagem do UOL não conseguiu entrar em contato com a defesa do coronel Lima.

Coronel foi citado em delação da J&F

No início de julho, o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, havia pedido ao ministro Edson Fachin, relator da Lava Jato no Supremo Tribunal Federal (STF), para juntar ao inquérito contra o presidente Michel Temer o relato de um delator do grupo J&F que ainda não fazia parte do processo. Trata-se da afirmação de Florisvaldo Caetano de Oliveira de que entregou R$ 1 milhão ao coronel aposentado João Baptista Lima Filho, ligado ao peemedebista. A PGR suspeita que Temer seria o destinatário destes recursos.

No anexo 42 da delação de Florisvaldo, o delator diz que entregou, a mando de Ricardo Saud, R$ 1 milhão em espécie em um escritório em São Paulo "de alguém ligado a Temer". O endereço é o da empresa Argeplan, que pertence a João Batista Lima, amigo do presidente da República.

Florisvaldo contou que foi duas vezes ao local. Na primeira vez, para conhecer e falar com a pessoa que se diz "coronel" e combinar a forma de entrega. Na segunda vez, para indicar o valor de R$ 1 milhão.

*Com informações do Estadão Conteúdo

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos