Bolsonaro diz que filiação a Patriota depende de troca de "figurinhas"

Gabriela Fujita

Do UOL, em São Paulo

  • Gabriela Fujita/UOL

    Ao centro, o pré-candidato à Presidência e deputado federal Jair Bolsonaro (PSC-RJ) tira fotos com "fãs" durante formatura de sargentos da Polícia Militar eme São Paulo. Ele foi acompanhado pelo filho Eduardo Bolsonaro, também deputado (no canto esquerdo)

    Ao centro, o pré-candidato à Presidência e deputado federal Jair Bolsonaro (PSC-RJ) tira fotos com "fãs" durante formatura de sargentos da Polícia Militar eme São Paulo. Ele foi acompanhado pelo filho Eduardo Bolsonaro, também deputado (no canto esquerdo)

Em meio a um impasse com o PEN (que deve mudar de nome para Patriota) sobre a sua filiação, o deputado federal e pré-candidato à Presidência Jair Bolsonaro (PSC-RJ) disse, nesta sexta-feira (22), que só definirá por qual sigla disputará a eleição em março de 2018.

"Estou num partido e sairei dele em março. Em março, eu me casarei com alguém. Tem vários partidos interessados, estou estudando qual é a melhor opção para mim e para eles", afirmou Bolsonaro, que aparece em segundo lugar nas pesquisas de intenção de voto.

Sobre o vaivém com o PEN/Patriota, com o qual o deputado assinou um termo de compromisso em novembro indicando que sairia candidato à Presidência pela legenda, Bolsonaro disse que ainda é preciso "trocar figurinhas".

"É um casamento e a gente vai ter que trocar figurinha. E o partido [PEN/Patriota], para eu ficar lá, tem que trocar figurinhas comigo."

Gabriela Fujita/UOL
Jovens usando camisetas com as palavras "Direita São Paulo" levaram uma faixa em homenagem ao deputado federal Jair Bolsonaro (PSC-RJ) e tiraram várias fotos com ele

Segundo reportagem publicada nesta quinta-feira (21) pelo jornal "O Estado de S. Paulo", Bolsonaro deve anunciar até o dia 5 de janeiro que não será mais pré-candidato a presidente pelo PEN/Patriota.

Ainda de acordo com o texto, deputados e correligionários dizem que o presidente da sigla, Adilson Barroso, não teria cumprido com a sua palavra de ceder o controle do partido em Estados-chave para o grupo do parlamentar.

Nesta sexta-feira, Bolsonaro não entrou em detalhes sobre o que está sendo negociado, mas entende que é uma figura importante para a viabilidade da nova legenda.

"Sem eu lá, o partido deixa de existir por ocasião da cláusula de barreira. Comigo, não só sobreviverão como serão pelo menos um partido médio."

A convite de sargentos da PM

Bolsonaro, militar reformado, esteve em São Paulo a convite da turma de sargentos da Polícia Militar que se formou hoje, no Anhembi (zona norte da capital). Ficou no palanque das autoridades, ao lado do filho, o deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSC-RJ). O governador Geraldo Alckmin (PSDB-SP), também pré-candidato à Presidência, não compareceu ao evento.

Após a formatura, Bolsonaro atendeu a vários pedidos de selfies e foi saudado por um grupo de jovens que usavam camisetas com as palavras "Direita São Paulo". Eles levaram ao local uma faixa em homenagem ao deputado.

"A recepção aqui não é só porque é um meio militar, do qual eu sou oriundo. Eu sou pré-candidato que não tenho nem partido ainda, não tenho nada."

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos