PUBLICIDADE
Topo

Política

Presidente da Fecomércio é preso em nova fase da Lava Jato do Rio

Nathan Lopes

Do UOL, em São Paulo

23/02/2018 06h34Atualizada em 23/02/2018 13h11

Agentes da PF (Polícia Federal) prenderam, na manhã desta sexta-feira (23), o presidente da Fecomércio-RJ (Federação do Comércio do Estado do Rio de Janeiro), Orlando Diniz, em nova fase da Operação Lava Jato no Rio. Ele é alvo de um mandado de prisão preventiva, sem prazo determinado. A Justiça Federal também determinou o bloqueio de até R$ 30 milhões em bens dele.

Segundo o MPF (Ministério Público Federal), nos últimos quatro anos, escritórios de advocacia foram contratados com verba pública federal do sistema Sesc/Senac, com gastos de cerca de R$ 180 milhões. Diniz não teria observado as "regras mínimas" para a contratação, "havendo indícios de que os supostos documentos que dariam suporte a esses gastos foram propositalmente ocultados". 

Deste total, cerca de R$ 20 milhões foram pagos ao escritório pertencente a Adriana Ancelmo, mulher do ex-governador do Rio Sérgio Cabral (MDB), de acordo com os investigadores.

As investigações apontam que pessoas ligadas à gestão da Fecomércio estariam envolvidas no esquema. Em decisão liminar (provisória), ele foi afastado da presidência dos conselhos regionais do Sesc e do Senac em dezembro do ano passado pelo STJ (Superior Tribunal de Justiça).

Na ação de hoje, a PF ainda indica que "diversas pessoas receberam, por anos, salários da Fecomércio, embora nunca tenham trabalhado no órgão". "Algumas dessas pessoas, na verdade, trabalhavam para o ex-governador preso [Cabral], e outras são familiares próximos de outros membros da organização criminosa", disse a polícia em nota.

Entre os familiares, há irmãos e mulheres de operadores de Cabral. No total, foram gastos mais de R$ 7,6 milhões com salários a funcionários-fantasmas.

Além da contratação de escritórios de advocacia, a ação de hoje investiga crimes de lavagem de dinheiro e corrupção. De acordo com o MPF, entre 2007 e 2011, uma organização criminosa liderada por Cabral na Fecomércio lavou R$ 3 milhões por uma consultoria ligada a Diniz na entidade. O esquema teria sido autorizado por Cabral. 

Os policiais também cumprem outros três mandados de prisão temporária, por até cinco dias, contra Plínio José Freitas Travassos Martins, Marcelo José Salles de Almeida e Marcelo Fernando Novaes Moreira, "todos diretores de confiança de Diniz no SESC/SENAC", segundo o MPF. 

Para os procuradores, Diniz, como empresário e presidente da Fecomércio, "tinha interesse em oferecer vantagens indevidas para obter benefícios por parte do ex-governador em suas atividades e no setor do comércio". 

O MPF defende a prisão de Diniz, afirmando que ela é "essencial para preservar a investigação criminal". Segundo os procuradores, ele tenta "frustrar investigações que possam existir contra si, e ainda costuma forjar documentos para justificar a possível contratação fraudulenta de bens e serviços no âmbito do SESC/SENAC, além de ocultar documentos”.

O nome da operação, "Jabuti", faz alusão a funcionários-fantasmas, que, entre os funcionários da Fecomércio, eram conhecidos como “jabutis”.

Relação entre Fecomércio e Cabral já era investigada

Um repasse de R$ 13 milhões da Fecomércio fluminense ao escritório de advocacia de Adriana Ancelmo já havia sido alvo da Lava Jato. Em novembro de 2016, quando o ex-governador foi preso, o MPF (Ministério Público Federal) havia apontado um "crescimento vertiginoso" da banca.

Durante o governo Cabral, o escritório de Adriana Ancelmo recebeu R$ 35,8 milhões de dez empresas. Uma delas, a Fecomércio do Rio.

Na época, a força-tarefa da Lava Jato chamou a atenção para "o assombroso volume de recursos que a Fecomércio passou a desembolsar para o escritório de Adriana Ancelmo principalmente em 2015 e 2016".

Procurada, os defensores de Adriana Ancelmo ainda não se manifestaram a respeito da operação desta sexta-feira. A defesa de Diniz ainda não foi localizada. (Com Estadão Conteúdo)

Política