PUBLICIDADE
Topo

Política

Doria anuncia Aloysio Nunes no governo de SP; nome é 7º ministro de Temer

O Ministro das Relações Exteriores, Aloysio Nunes, em Brasília - Fátima Meira/Futura Press/Folhapress - 10.nov.2017
O Ministro das Relações Exteriores, Aloysio Nunes, em Brasília Imagem: Fátima Meira/Futura Press/Folhapress - 10.nov.2017

Janaina Garcia

Do UOL, em São Paulo

27/12/2018 10h05Atualizada em 27/12/2018 12h03

A equipe do governador eleito de São Paulo, João Doria (PSDB), anunciou nesta quinta-feira (27) o nome do atual ministro de Relações Exteriores, Aloysio Nunes Ferreira, como futuro presidente da Investe SP, agência paulista de promoção de investimentos.

Tucano, Nunes Ferreira é o sétimo ministro da equipe do presidente Michel Temer (MDB) a ser anunciado como integrante da futura gestão Doria. Ele será subordinado à Secretaria da Fazenda, Planejamento e Gestão, cujo titular, anunciado há duas semanas, é o ex-ministro da Fazenda de Temer, Henrique Meirelles, também do MDB.

Formado em Direito pela Universidade de São Paulo, em 1967, Nunes Ferreira foi procurador em São Paulo, por onde iniciou a carreira política como deputado estadual. Foi vice-governador pela chapa que elegeu Luiz Antônio Fleury Filho (1991-1994) e se elegeu deputado federa e senador, em 2010.

No governo de Fernando Henrique Cardoso (PSDB), foi ministro-chefe da Casa Civil (1999) e da Justiça (2001).

Em 2014, foi vice de Aécio Neves (PSDB) na disputa à Presidência, vencida pela então candidata à reeleição Dilma Rousseff (PT).

No ano seguinte, já em meio à crise política que culminaria no impeachment de Dilma, no primeiro semestre de 2016, o tucano afirmara ser contrário à deposição da petista: "Não quero que ela saia, quero sangrar a Dilma, não quero que o Brasil seja presidido pelo [então vice-presidente] Michel Temer", disse, ao participar de seminário no Instituto Fernando Henrique Cardoso (IFHC), na capital paulista. Apesar da declaração, ele acabou sendo voto favorável ao impeachment.

O apoio mais explícito à gestão Temer se daria já em 2016, quando se tornou líder do governo no Senado. Em março do ano passado, foi nomeado por Temer para o Itamaraty.

Nunes Ferreira foi o único ministro do PSDB a permanecer no governo Temer após o desembarque de seu partido da base de apoio do governo federal. Os tucanos agiram após as delações da JBS, ano passado, que comprometiam o emedebista.

Defensor da unidade do centro político, o chanceler foi um dos responsáveis por tentar reconstruir as pontes entre o Planalto e o Palácio dos Bandeirantes, então chefiado por Geraldo Alckmin, hoje ex-governador, candidato derrotado à Presidência e presidente nacional do PSDB.

Aloysio Nunes Ferreira ocupará cargo na gestão Doria - Divulgação - Divulgação
Aloysio Nunes Ferreira ocupará cargo na gestão Doria
Imagem: Divulgação

Equipe de Temer no governo de SP

Além de Nunes Ferreira e Meirelles, Doria anunciou outros cinco ministros que integram ou integraram o governo Temer.

Atual titular do Turismo, Vinícius Lummertz, será secretário da pasta correspondente em São Paulo. Ministro das Cidades, Alexandre Baldy será secretário dos Transportes Metropolitanos; titular da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações , Gilberto Kassab vai para a Casa Civil; ministro da Cultura, Sérgio Sá Leitão assumirá a pasta correspondente em São Paulo; e Rossieli Soares, ministro da Educação, segue para a mesma pasta.

Política