Topo

"Mentira absoluta": Carlos diz que Bebianno não falou com Bolsonaro

Carlos Bolsonaro, vereador pelo Rio e filho do presidente eleito, Jair Bolsonaro - Sergio Lima 13.nov.2018 /AFP
Carlos Bolsonaro, vereador pelo Rio e filho do presidente eleito, Jair Bolsonaro Imagem: Sergio Lima 13.nov.2018 /AFP

Gustavo Maia

Do UOL, em Brasília

13/02/2019 13h16Atualizada em 13/02/2019 22h02

Resumo da notícia

  • Gustavo Bebianno e Carlos Bolsonaro são desafetos desde a campanha eleitoral
  • Ontem, o ministro da Secretaria-Geral disse ter falado três vezes com o presidente Bolsonaro
  • Carlos o desmentiu no Twitter, dizendo que esteve "24 horas" ao lado do pai

O vereador Carlos Bolsonaro (PSL) usou o Twitter no começo da tarde de hoje para desmentir o ministro da Secretaria-Geral da Presidência, Gustavo Bebianno, que ontem disse ter conversado três vezes com o presidente Jair Bolsonaro (PSL) por telefone e negou ser pivô de uma crise no governo, em entrevista ao jornal "O Globo".

Carlos, que acompanhou o pai durante os 18 dias de internação no Hospital Albert Einsten, em São Paulo, afirmou que esteve ao lado de Bolsonaro durante as 24 horas do dia e classificou a fala do ministro como "mentira absoluta de Gustavo Bebbiano [sic]".

No tuíte, o parlamentar reproduziu um post do site "O Antagonista" que citou "O Globo":

Ontem à noite, Bebianno disse ter cancelado visita que faria hoje ao Pará a pedido de Bolsonaro. À tarde, ele cancelou duas agendas que teria no Palácio do Planalto, onde fica seu gabinete. Hoje, o secretário-geral não tem nenhum compromisso agendado.

O filho do presidente não detalhou o que motivaria a crise envolvendo Bebianno, que é seu desafeto desde a campanha eleitoral, quando o hoje ministro era presidente interino do PSL.

Carlos Bolsonaro divulga áudio do pai com Gustavo Bebianno

UOL Notícias

Áudio de suposta conversa

Mais tarde, Carlos publicou um áudio que comprovaria que o pai não falou com Bebianno.

Ainda na noite de hoje, a conta de Jair Bolsonaro no Twitter compartilhou o post do filho com o áudio.

Ontem, o jornal "Folha de S.Paulo" revelou hoje que a Polícia Federal intimou a prestar depoimento uma candidata a deputada federal de Pernambuco usada como laranja pelo partido do presidente, hoje presidido pelo deputado federal Luciano Bivar (PE).

Reportagem de domingo  revelou que o grupo do atual presidente nacional da sigla PSL, criou uma candidata laranja no estado que recebeu do partido R$ 400 mil de dinheiro público na eleição de 2018.

Maria de Lourdes Paixão, 68, que oficialmente concorreu a deputada federal e teve apenas 274 votos, foi a terceira maior beneficiada com verba do PSL em todo o país, mais do que o próprio presidente Bolsonaro e a deputada Joice Hasselmann (SP), essa com 1,079 milhão de votos.

Hoje, a Folha revelou que Bebianno liberou R$ 250 mil de verba pública para a campanha de uma ex-assessora, que repassou parte do dinheiro para uma gráfica registrada em endereço de fachada -sem maquinário para impressões em massa.

Na ocasião, ele era responsável formal por autorizar repasses dos fundos partidário e eleitoral a candidatos da legenda.

No início da tarde de hoje, o porta-voz da Presidência, general Otávio do Rêgo Barros, foi questionado se Bolsonaro havia conversado com Bebianno e Bivar sobre os casos. Rêgo Barros disse não ter conversado com o presidente sobre o assunto, e por isso, não soube responder.

Após alta de Jair Bolsonaro, porta-voz nega suspeita de câncer

UOL Notícias

Política