Topo

Bolsonaro retruca Maia sobre "brincar de presidir": "é irresponsabilidade"

Rafael Carvalho/Governo de Transição
Bolsonaro e Maia juntos em novembro de 2018 Imagem: Rafael Carvalho/Governo de Transição

Bernardo Barbosa

Do UOL, em São Paulo*

2019-03-27T19:37:34

2019-03-27T21:16:15

27/03/2019 19h37Atualizada em 27/03/2019 21h16

Em mais um episódio de confronto aberto entre o Executivo e o Congresso, o presidente Jair Bolsonaro (PSL) rebateu hoje a declaração do presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), que disse que ele precisa "parar de brincar de presidir". Bolsonaro afirmou que a fala do deputado foi "irresponsável".

"Se foi isso mesmo que ele falou, eu lamento. Não é uma palavra de uma pessoa que conduz uma Casa", disse o presidente.

É muita irresponsabilidade. Brincar... Vocês sabem: se alguém quiser que eu faça o que os presidentes anteriores fizeram, eu não vou fazer (...) Não existe brincadeira da minha parte, pelo contrário

Presidente Jair Bolsonaro

Bolsonaro falou hoje a jornalistas em São Paulo após uma reunião da Unibes (União Brasileiro-Israelita do Bem-Estar Social), em que apenas parte da imprensa teve a entrada permitida por assessores da Presidência presentes no local. Só equipes das TVs SBT, Record, Band, RedeTV! e Cultura acompanharam o evento e a entrevista.

O encontro teve como sede a casa de Elie Horn, ex-presidente da construtora Cyrela e filantropo, na zona sul de São Paulo.

Maia está "abalado"

Mais cedo, Rodrigo Maia (DEM-RJ) pediu o fim da "brincadeira" e disse que o país precisa ser levado a sério. Ele rebateu uma declaração anterior de Bolsonaro, que em entrevista hoje à TV Bandeirantes, afirmou que o deputado está "abalado" por questões pessoais. O padrasto da mulher de Maia, o ex-ministro Wellington Moreira Franco (MDB), ficou preso por quatro dias, após ser detido em um desdobramento da Operação Lava Jato no Rio. O emedebista foi solto ontem.

"Abalado estão os brasileiros que esperam desde janeiro que o Brasil comece a funcionar", disse Maia ao ser questionado sobre as declarações do presidente. "São 12 milhões de desempregados, capacidade de investimento diminuindo", citou.

Está na hora de pararmos com esse tipo de brincadeira. Está na hora de ele [Bolsonaro] sentar na cadeira e, em conjunto, resolvermos os problemas do Brasil

Rodrigo Maia, presidente da Câmara

A crise política tem como pano de fundo a tramitação da reforma da Previdência no Congresso. Parlamentares têm reclamado da falta de articulação do governo federal para a aprovação da proposta.

Maia, principal fiador da reforma no parlamento, já chegou a dizer que Bolsonaro precisa governar e parar de escrever no Twitter. O presidente diz que não tem mais nada a fazer em relação à reforma, que agora é trabalho do Congresso aprová-la.

"O que tá faltando eu fazer?": a troca de farpas entre Bolsonaro e Maia

UOL Notícias

Elogios a Maia e Alcolumbre

Antes de ser questionado sobre a declaração de Maia, Bolsonaro chegou a fazer elogios ao presidente da Câmara ao defender a reforma da Previdência.

"Da minha parte, não existe nenhum problema com o Parlamento brasileiro. Sempre há uma tentativa de envenenar o relacionamento, tenho profundo respeito e admiração pelo Rodrigo Maia, pelo Davi Alcolumbre [presidente do Senado, DEM-AP], que são pessoas importantíssimas para o sucesso disso tudo", disse. "Afinal de contas, não é um projeto meu, nem do meu governo. É do Brasil."

"A responsabilidade é de todos. Não é minha apenas [ou] do presidente da Câmara. É de todos nós aprovar essa e outra reforma que temos de fazer na questão tributária", disse Bolsonaro.

* Com Estadão Conteúdo

Mais Política