PUBLICIDADE
Topo

'Somos o último obstáculo para o socialismo', diz Bolsonaro sobre militares

'Somos o último obstáculo para o socialismo', diz Bolsonaro sobre militares

UOL Notícias

Alex Tajra

Do UOL, em São Paulo

27/03/2019 17h28

O presidente Jair Bolsonaro (PSL) voltou a afirmar que o Exército Brasileiro é, em última instância, o órgão que garante a democracia no Brasil e atribuiu aos militares a função de se opor ao socialismo.

"Nós [militares] somos o último obstáculo para o socialismo. Qualquer país do mundo, quem decide, em última análise, se vai ser ditadura ou democracia, não vai ser a OAB, o conselho federal de Medicina, ou a CNI".
Jair Bolsonaro

Bolsonaro diz que exército é o 'último obstáculo para o socialismo'

UOL Notícias

Para o presidente, no entanto, o regime militar de 1964 a 1985 não foi ditatorial.

"Onde você viu uma ditadura entregar o governo de forma pacífica? Então não houve ditadura", afirmou ao apresentador Datena, da Band, nesta tarde.

A fala de Bolsonaro acontece em meio a um momento conturbado com o Congresso e com a Justiça, instituições que se manifestaram contra os incentivos do governo para comemorar o golpe militar de 1964.

Ontem, o presidente da Câmara Rodrigo Maia, afirmou que a Casa não vai comemorar o golpe, e ainda lembrou que seu pai foi exilado durante o período da repressão.

Para Bolsonaro, o regime teve "alguns problemas", e isso não invalida as comemorações sobre os 55 anos do golpe militar de 31 de março de 1964.

Leia alguns trechos da entrevista:

Comemorações nos quartéis

Bolsonaro nega ditadura e diz: 'estou com a verdade do meu lado'

UOL Notícias

"Não houve ditadura. [As comemorações] serão dentro dos quartéis, ninguém tem como contestar. [A data do golpe] está nos anais da história."

"Nova política", Congresso e Maia

Não posso atender a quantidade de parlamentares, diz Bolsonaro

Band Notí­cias

"Eu não tenho problema nenhum com o Rodrigo Maia. Ele está abalado por questões pessoais que aconteceram na vida dele. Todos os parlamentares querem falar comigo, eu não tenho como atender a todo mundo. Não existe ministro no meu governo indicado por partido, então isso já agrava o primeiro contato. (...) Quando se fala em nova e velha política, você já divide o parlamento no meio. O pessoal reclama de aproximação, mas que aproximação é essa? Não tenho condições de atender a todos os parlamentares. "

Pauta bomba do Orçamento

"Nós ainda queremos mais do que a Câmara aprovou. Meu partido votou favorável, não falei pra ninguém trabalhar contra. Se for confirmado no Senado, mais ou menos R$ 8 bilhões nos teremos que dar para as emendas impositivas. Agora eu pergunto, quem tem mais condições de entender onde será empregado o dinheiro? Nós ou, por exemplo, o João Doria com seus deputados estaduais?"

Redes sociais e imprensa

"Eu respondo pelo meu Twitter, quando o Olavo posta alguma coisa lá dos Estados Unidos culpam a mim. Como eu vou controlar as redes sociais? Ele [Rodrigo Maia] foi infeliz quando fez uma crítica ao Sergio Moro, e ele levou pancada da mídia. E aí meu filho foi lá e publicou questionando porque o Maia estava nervoso. Nada mais além disso."

Folha de S.Paulo

"Em certos órgãos de imprensa, a especialidade é distorcer, mentir o tempo todo. Eu uso no máximo 10 minutos para redes sociais, tenho aceitação, por isso posso me afastar da mídia tradicional. Não quero ser inimigo também. (...) A fonte do mal é a Folha de S. Paulo, eles têm uma obsessão por mim."

Pacote anticrime de Moro

"10% dos deputados vão ficar em uma comissão, outros 10% vão ficar discutindo em outra. E esse resto, esses 80% vai ficar de papo lá? O povo gostaria que o pacote fosse discutido. Nós gostaríamos que isso pudesse acontecer, mas a decisão é dele [Maia], ele é o dono da pauta. Não é só isso, tem muitos projetos na Câmara que têm que seguir seus cursos. A redução da maioridade penal é um deles, não aquela que a gente queria, que todos os menores respondessem como adultos, mas tem que ser discutida"

Decreto dos vistos

"Houve uma ameaça de derrubar meu decreto isentando de visto os japoneses, australianos, americanos e outro lá. Eu não posso dar reciprocidade, eles não vêm pra cá pra se empregar no Brasil, pra se esconder, eles vêm fazer turismo, fazer negócio, e já tem um sinalizados positivo nessa questão dos vistos. O parlamento estaria dando um tiro no pé [revogando o decreto]. Eu acho que não existe mais essa possibilidade."

Ministério da Educação

"Temos que resolver a questão da educação. Realmente não está dando certo as coisas lá, é um ministério muito importante. Na minha volta da viagem de Israel eu vou conversar com o Vélez. O que a gente quer no MEC é que a garotada aprenda, você tem que ter poder de comando, indicar as pessoas corretas, autoridades, para que isso chegue no final da linha. É um dos ministérios mais aparelhados que têm, tem conselho lá que para o ministro tomar decisão não é fácil."

O governo Bolsonaro teve início em 1º de janeiro de 2019, com a posse do presidente Jair Bolsonaro (então no PSL) e de seu vice-presidente, o general Hamilton Mourão (PRTB). Ao longo de seu mandato, Bolsonaro saiu do PSL e ficou sem partido. Os ministérios contam com alta participação de militares. Bolsonaro coloca seu alinhamento político à direita e entre os conservadores nos costumes.