PUBLICIDADE
Topo

Bolsonaro diz que porteiro é o "menos culpado" e cobra investigação

Presidente Jair Bolsonaro, durante live em suas redes sociais - Reprodução
Presidente Jair Bolsonaro, durante live em suas redes sociais Imagem: Reprodução

Do UOL, em São Paulo

30/10/2019 23h18

O presidente Jair Bolsonaro (PSL) saiu em defesa do porteiro que contou à polícia que, horas antes do assassinato da vereadora carioca Marielle Franco (PSOL), um dos suspeitos do crime, Elcio Vieira de Queiroz, disse que iria para a casa de Bolsonaro, então deputado federal, de acordo com a TV Globo.

"O porteiro é aquele que menos tem culpa nesse novo crime (vazamento e possível LSN). Querer responsabilizar o porteiro como o único responsável nessa nova investigação não é justo. Por ser uma pessoa humilde, pode ter sido induzido a assinar o depoimento", escreveu Bolsonaro no Facebook.

A publicação do presidente trouxe uma foto do despacho do advogado-geral da União, André Luiz de Almeida Mendonça, pedindo para que o procurador-geral da União (PGU) investigue os vazamentos envolvendo a investigação dos assassinatos de Marielle e de seu motorista, Anderson Gomes.

Bolsonaro tem casa no condomínio onde mora Ronnie Lessa, suspeito dos assassinatos. A TV Globo revelou que o porteiro contou à polícia que horas antes do crime, em 14 de março de 2018, Elcio Vieira de Queiroz disse que iria para a casa do então deputado federal Jair Bolsonaro.

O porteiro teria ligado para a casa de Bolsonaro e obtido autorização para a entrada de Elcio. Ele confirmou em dois depoimentos que identificou a voz de quem atendeu como sendo a do "Seu Jair". No entanto, os registros de presença da Câmara dos Deputados mostram que Bolsonaro estava em Brasília no dia.

Após a reportagem, o presidente se isentou de responsabilidade pelo crime e fez duras críticas à imprensa, sobretudo a TV Globo, pelas reportagens que envolvem não apenas ele, mas também seus familiares. Ele ainda insinuou que as informações do processo, que está sob sigilo, teriam sido vazadas pelo governador Wilson Witzel (PSC).

Política