PUBLICIDADE
Topo

Queiroz usou empresas de chefe da milícia para lavar dinheiro, diz MP

Fabrício Queiroz, ex-assessor de Flávio Bolsonaro - Reprodução/SBT
Fabrício Queiroz, ex-assessor de Flávio Bolsonaro Imagem: Reprodução/SBT

Igor Mello, Gabriel Sabóia, Silvia Ribeiro e Eduardo Militão

Do UOL, no Rio e em Brasília

19/12/2019 16h03

Resumo da notícia

  • Segundo o MP, Queiroz usou duas empresas controladas por chefe do Escritório do Crime para lavar dinheiro
  • Empresas repassaram mais de R$ 72 mil em transferências para contas bancárias de Queiroz
  • Flávio Bolsonaro empregou em seu gabinete a mãe e a ex-mulher do miliciano Adriano Magalhães da Nóbrega
  • Segundo o MP, Danielle Mendonça, ex-mulher de Adriano, era funcionária fantasma no gabinete de Flávio
  • As defesas de Fabrício Queiroz e Flávio Bolsonaro ainda não se manifestaram

Fabrício Queiroz usou empresas controladas pelo ex-PM Adriano Magalhães da Nóbrega, o Capitão Adriano, apontado como chefe de uma das maiores milícias do Rio, para lavar parte dos recursos obtidos com a rachadinha no gabinete de Flávio Bolsonaro (RJ-sem partido), hoje senador, na Alerj (Assembleia Legislativa do Rio), segundo o MP (Ministério Público) do Rio.

A afirmação é feita por promotores do MP do Rio no pedido de medidas cautelares que resultou na operação deflagrada ontem, quando endereços ligados ao ex-assessor parlamentar e ao senador foram alvo de mandados de busca e apreensão.

De acordo com o MP, Queiroz atuava como operador financeiro no esquema do gabinete de Flávio. O ex-assessor, amigo do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) desde 1984, recolhia parte dos salários de funcionários nomeados no gabinete —vários deles com fortes indícios de serem fantasmas.

Duas delas são Raimunda Veras Magalhães e Danielle Mendonça da Costa, respectivamente mãe e ex-mulher do Capitão Adriano —foragido da Justiça após ser apontado pelo MP como chefe da milícia que controla a comunidade do Rio das Pedras, em Jacarepaguá.

Os salários de Raimunda e Danielle somaram, ao todo, R$ 1.029.042,48, dos quais pelo menos R$ 203.002,57 foram repassados direta ou indiretamente para a conta bancária de Queiroz. Além desses valores, R$ 202.184,64 foram sacados em espécie por elas. Segundo o MP, isso viabilizaria a "simples entrega em mãos" de dinheiro para o ex-assessor.

O ex-PM Adriano Magalhães da Nóbrega - Reprodução/Polícia Civil - Reprodução/Polícia Civil
O ex-PM Adriano Magalhães da Nóbrega
Imagem: Reprodução/Polícia Civil

O MP afirma que parte dos recursos devolvidos por Danielle a Queiroz passaram por contas de empresas ligadas à milícia.

"Parcela dos repasses correspondentes à remuneração de DANIELLE MENDONÇA DA COSTA seria repassada por intermédio de contas bancárias de titularidade de outras pessoas físicas e jurídicas controladas por ADRIANO MAGALHÃES DA NÓBREGA", diz trecho do documento obtido pelo UOL.

Parte dos recursos repassados a Queiroz vieram de empresas ligadas a Adriano. Tratam-se de dois restaurantes localizados na rua Aristides Lobo, no Rio Comprido, zona norte do Rio: o Restaurante e Pizzaria Tayara Ltda repassou R$ 45.330,00 a Queiroz, enquanto o Restaurante e Pizarria Rio Cap Ltda transferiu R$ 26.920,00.

Embora não seja formalmente um dos donos da empresa, o MP suspeita que Adriano seja sócio oculto dos restaurantes. Ambas pertencem formalmente à sua mãe, Raimunda, e a uma outra sócia.

Os dois restaurantes ficam em frente à agência 5663 do Banco Itaú. Segundo o primeiro relatório do Coaf (Conselho de Controle de Atividades Financeiras) sobre Queiroz —que deu origem a toda investigação do MP—, nessa agência foram registrados 17 depósitos não identificados em dinheiro vivo na conta do ex-assessor de Flávio Bolsonaro. Eles somam R$ 91.796,00 entre janeiro de 2016 e janeiro de 2017 —42% de todo o valor depositado em espécie a Queiroz nas transações discriminadas pelo Coaf.

Outro indício do envolvimento de Adriano é o fato de Raimunda ter repassado R$ 43.430,00 para Queiroz antes mesmo de ter sido nomeada no gabinete de Flávio.

Danielle trabalhou no gabinete de Flávio Bolsonaro entre 6 de setembro de 2007 e 13 de novembro de 2018. Ela ocupou um cargo com código CCDAL-5, com salário de R$ 6.490,35.

Já Raimunda foi nomeada por Flávio em 2 de março de 2015, quando ocupou posto na liderança do PP —partido ao qual Flávio era filiado. Ela permaneceu na função até 31 de março de 2016, pouco depois de Flávio deixar o PP e se filiar ao PSC. Voltou a ser nomeada na Alerj, dessa vez no gabinete do filho mais velho do presidente Jair Bolsonaro, em 29 de junho de 2016, tendo sido mantida até 13 de novembro do ano passado. Raimunda tinha o mesmo cargo e função da ex-nora.

A investigação do MP aponta que Fabrício Queiroz recebeu R$ 2.062.360,52 por meio de 483 depósitos feitos por assessores subordinados ou indicados pelo então deputado estadual e hoje senador Flávio Bolsonaro. Os valores foram transferidos por 13 servidores do gabinete do parlamentar.

Outro lado

A reportagem procurou a defesa de Adriano Nóbrega e Danielle Costa, mas ainda não obteve retorno.

O UOL também procurou a defesa de Fabrício Queiroz, mas ela não se manifestou sobre a investigação do MP revelada nesta reportagem.

Ontem, por meio de nota, a defesa de Queiroz classificou como "absolutamente desnecessária" a operação autorizada pela Justiça a partir dessa mesma investigação do MP. "A defesa de Fabrício Queiroz recebe a informação a respeito da recente medida de busca apreensão com tranquilidade e ao mesmo tempo surpresa, pois absolutamente desnecessária, uma vez que ele sempre colaborou com as investigações, já tendo, inclusive, apresentado todos os esclarecimentos a respeito dos fatos", diz a defesa em nota.

O UOL também procurou a defesa de Flávio, que ainda não respondeu à reportagem.

O advogado dele, Frederick Wassef, criticou ontem, por meio de nota, a operação do MP que cumpriu 24 mandados de busca e apreensão em endereços ligados a Queiroz e a parentes de Ana Cristina Valle, ex-mulher de Jair Bolsonaro.

Funcionários do MP também estiveram em loja de chocolates de Flávio Bolsonaro localizada no Via Parque, shopping da zona oeste carioca. Wassef disse que os promotores "não irão encontrar nada" que comprometa Flávio.

"Recebemos a informação sobre as novas diligências com surpresa, mas com total tranquilidade. Até o momento, a defesa não teve acesso a medida cautelar que autorizou as investigações e, apenas após ter acesso a esses documentos, será possível se manifestar. Confirmo que a empresa do meu cliente foi invadida, mas garanto que não irão encontrar nada que o comprometa. O que sabemos até o momento, pela imprensa, é que a operação pode ter extrapolado os limites da cautelar, alcançando pessoas e objetos que não estão ligados ao caso", afirmou.

Homenagens na Alerj

O vínculo entre Capitão Adriano, Queiroz e a família Bolsonaro tem décadas. O ex-assessor trabalhou com o hoje miliciano no 18º BPM (Jacarepaguá). No pedido de cautelares, o MP do Rio chega a citar um registro de ocorrência realizado em 2003, quando os dois PMs são envolvidos em um homicídio cometido durante operação policial na Cidade de Deus, comunidade de Jacarepaguá dominada pelo tráfico.

O próprio Queiroz já admitiu ter se tornado amigo de Adriano durante sua convivência no batalhão.

Em outubro de 2003, Flávio homenageou Adriano Magalhães da Nóbrega com uma moção de louvor na Alerj. Segundo o então deputado, Capitão Adriano atuava com "brilhantismo e galhardia" e "serviços à sociedade desempenhando com absoluta presteza e excepcional comportamento nas suas atividades".

Em julho de 2005, Flávio concedeu uma nova homenagem a Adriano. Desta vez a Medalha Tiradentes, maior honraria do Legislativo fluminense. Flávio destacou o fato de o então PM ter participado de diversos cursos e exaltou participação dele de uma operação no Morro da Coroa, em 2001, tendo auxiliado na prisão de 12 suspeitos e na apreensão de quatro fuzis, uma granada e outras três armas, além de farta quantidade de munição.

Siga o UOL no

Política