PUBLICIDADE
Topo

Congresso avalia suspender trabalhos de acordo com difusão do coronavírus

Sessão no Congresso - DIDA SAMPAIO/ESTADÃO CONTEÚDO
Sessão no Congresso Imagem: DIDA SAMPAIO/ESTADÃO CONTEÚDO

Luciana Amaral

Do UOL, em Brasília

12/03/2020 13h04

O Congresso Nacional estuda suspender todos os trabalhos a partir do final de março a depender da propagação do coronavírus, apurou o UOL. A análise foi informada por fontes de variadas áreas do Senado Federal.

Ontem, tanto a Câmara quanto o Senado anunciaram regras mais rígidas de entrada nas Casas e medidas para evitar a contaminação da covid-19, doença causada pelo vírus, como a restrição de visitas guiadas. No entanto, ações adicionais podem ser tomadas.

Não há prazo para um novo endurecimento na circulação de pessoas no Congresso, mas, se realmente se confirmar, deve ocorrer apenas a partir de 23 de março por causa da tramitação de pautas com calendário apertado. Também não se sabe se a suspensão dos trabalhos vai ter o apoio de todos os parlamentares.

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) e toda a comitiva que esteve em missão oficial nos Estados Unidos, na última semana, passam por exames para coronavírus. Além do presidente, ministros, parlamentares e secretários estiveram na viagem.

Entre os congressistas que compuseram a comitiva estão os senadores Nelsinho Trad (PTB-MS) e Jorginho Mello (PL-SC), e os deputados Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) e Daniel Freitas (PSL-SC).

Em nota, a assessoria de Nelsinho Trad informou que o senador realizou exames para verificar se contraiu o coronavírus após a suspeita de que o chefe da Secretaria Especial de Comunicação da Presidência, Fabio Wajngarten, estava doente, agora confirmado.

O parlamentar informou que vem cumprindo os protocolos do Ministério da Saúde e divulgará o resultado do seu exame quando pronto.

A assessoria do senador Jorginho Mello informou que ele também aguarda o resultado de exames e não apresenta sintomas da doença.

Apesar da discussão no Senado, o diretor-geral da Câmara, Sérgio Sampaio, afirmou que, no momento, não se discute o fechamento da Câmara. No entanto, não descartou a possibilidade no futuro. "Se houver mudança de cenário, poderemos analisar novas medidas", disse ao UOL.

Política