PUBLICIDADE
Topo

Maia acusa governo federal de usar número falso para barrar ajuda a estados

Presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, ao lado do ministro da Economia, Paulo Guedes, em evento do Lide em Campos do Jordão (SP) - AMANDA PEROBELLI
Presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, ao lado do ministro da Economia, Paulo Guedes, em evento do Lide em Campos do Jordão (SP) Imagem: AMANDA PEROBELLI

Guilherme Mazieiro

Do UOL, em Brasília

09/04/2020 16h50

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), acusou o governo Jair Bolsonaro (sem partido) de usar dados econômicos falsos para chamar de "pauta-bomba" o plano de auxílio a estados e municípios. A Câmara tenta votar o projeto de ajuda fiscal para enfrentar a crise causada pelo coronavírus e estima impacto de R$ 85 bilhões nas contas da União.

Em reportagens veiculadas pela imprensa, o governo diz que o impacto seria de R$ 180 bilhões e traria dificuldades aos cofres públicos. A pauta que Maia tenta votar há duas semanas é um pacote de medidas para recompor perdas de estados e municípios na arrecadação de impostos.

"Nós precisamos deixar as brigas de lado e garantir que na segunda a gente tenha condições de votar um projeto com diálogo, ouvindo as críticas", disse Maia. "Acho que nesse momento não faz nenhum sentido o que o ministro da Economia [Paulo Guedes] vem fazendo (...) não aceitamos que o governo queira impor com informações falsas a sua posição. Com números verdadeiros nós topamos discutir", disse Maia.

Maia disse que o impacto fiscal do projeto é de R$ 35 bilhões de ajuda e mais R$ 50 bilhões em suspensão de empréstimos dos estados com a União.

O relator do projeto, Pedro Paulo (DEM-RJ), justifica que o cálculo feito pelo governo soma a esses valores medidas de ajuda a estados e municípios que já foram adotadas pelo governo durante a crise.

Segundo o presidente da Câmara, o governo federal tenta enfraquecer governadores das regiões Sul e Sudeste, justamente onde estão dois de seus principais opositores: João Doria (PSDB-SP) e Wilson Witzel (PSC-RJ), que almejam concorrer à Presidência.

"Olha que coisa engraçada, o governo foi ágil em dar alguma solução para os estados do Norte e do Nordeste, que ideologicamente se opõe ao governo. Porque, na política do contraponto, eles querem o PT vivo e querem matar o entorno, que é de centro-direita", disse Maia em referência à promessa do governo liberar R$ 85 bilhões de auxílio via fundos dos estados e municípios.

"Nós [Câmara] não somos instrumentos desse conflito que hoje existe, infelizmente, entre o governo federal e os governadores", prosseguiu. "Transformar o debate sério que sempre fizemos num debate de pauta-bomba porque o governo não quer atender estados do Sudeste e Sul? Nesse debate não vou entrar. Vou entrar no debate técnico", afirmou.

A discussão se dá em torno do impacto fiscal do projeto que visa socorrer estados e municípios durante o coronavírus. A proposta é uma nova versão do Plano Mansueto (nome em referência ao secretário do Tesouro, Mansueto de Almeida, idealizador da pauta).

Coronavírus