PUBLICIDADE
Topo

Política

Conteúdo publicado há
8 meses

Bolsonaro baixa o tom e afaga Congresso após veto: "sócios no Parlamento"

Hanrrikson de Andrade e Fábio Regula

Do UOL, em Brasília e em São Paulo

21/08/2020 11h10Atualizada em 21/08/2020 12h35

Depois de esbravejar contra o Congresso pela ameaça de derrubada do congelamento de salários de servidores públicos, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) mudou o tom do discurso e fez um afago ao Parlamento durante visita a Mossoró (RN), na manhã de hoje.

O governante se disse grato aos deputados que, na sessão de ontem, reverteram decisão do Senado e selaram a manutenção de um veto presidencial que suspende reajustes na folha até o fim de 2021.

Bolsonaro chegou a chamar os parlamentares de "sócios" e disse que eles estão juntos ao governo em um mesmo "time", com o objetivo de atingir "nossos objetivos".

"Com o time que temos, sócios no bom sentido no Parlamento, atingiremos nossos objetivos", disse ele, em evento de entrega de unidades habitacionais em Mossoró.

O presidente ainda elogiou a presença em seu palanque de "valorosos parlamentares".

No discurso, Bolsonaro ainda falou em "trilhar o caminho do desenvolvimento", alinhando as palavras a uma nova postura do governo nos últimos meses, mais afastado da bandeira liberal.

"O que mais eu poderia dizer num momento como esse a esse povo que devemos lealdade é muito obrigado. A recepção e energia para trilhar o caminho do desenvolvimento", disse.

"Impossível governar"

Ontem pela manhã, horas antes de virar o jogo no Congresso, Bolsonaro mostrou irritação em conversa com apoiadores na saída do Palácio da Alvorada, a residência oficial, e disse que estava "impossível governar".

A revolta do presidente se deu porque, na quarta-feira (19), os senadores votaram pela derrubada do veto —ou seja, eles queriam permitir a concessão de reajustes ao funcionalismo, medida que, de acordo com os argumentos da equipe econômica, seria devastadora para o controle fiscal do país.

No entanto, como se tratava de uma sessão conjunta do Congresso, era necessário consenso entre Senado e Câmara para que a derrubada do veto fosse efetivada. Os deputados fizeram, portanto, o presidente respirar aliviado.

Aglomeração na chegada

A agenda no Nordeste faz parte de uma empreitada bolsonarista com foco na reeleição em 2022. Desde que se recuperou do coronavírus, o chefe do Executivo federal tem percorrido o país para inaugurações de obras públicas e outros compromissos no sentido de divulgar ações do governo.

Hoje, a chegada do presidente a Mossoró ficou marcada por uma aglomeração de apoiadores. Sem máscara, Bolsonaro se aproximou em alguns momentos dos apoiadores, que o esperavam no aeroporto. As imagens foram publicadas pelo canal oficial do Youtube do presidente, que já contraiu covid-19 e se recuperou.

O uso de máscara e o distanciamento social são recomendados pela Organização Mundial de Saúde (OMS) e pelo Ministério do Saúde como principais medidas - junto com a correta higienização das mãos - para diminuir a disseminação do novo coronavírus em meio à pandemia.

Política