PUBLICIDADE
Topo

Política

Conteúdo publicado há
3 meses

STJ diz que foi hackeado durante julgamentos; caso de Lula estava na pauta

Julgamento de um recurso de Lula foi um dos que tiveram de ser adiados por causa do ataque Hacker ao sistema do STJ - Alan Marques/Folhapress
Julgamento de um recurso de Lula foi um dos que tiveram de ser adiados por causa do ataque Hacker ao sistema do STJ Imagem: Alan Marques/Folhapress

Do UOL, em São Paulo

04/11/2020 11h59Atualizada em 04/11/2020 14h01

O STJ (Superior Tribunal de Justiça) informou que sua rede de tecnologia foi alvo de um ataque hacker na tarde de ontem, durante sessões dos colegiados das seis turmas. O ataque provocou instabilidade e levou à suspensão de julgamentos, entre eles o de um recurso da defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) sobre o processo da Operação Lava Jato relacionado ao apartamento tríplex do Guarujá (SP).

Em nota, o tribunal informou que já acionou a Polícia Federal para investigar o ataque cibernético, e que a equipe de tecnologia da corte está trabalhando na recuperação dos sistemas.

"Por precaução, os prazos processuais seguem suspensos até a próxima segunda-feira (9)", avisou o STJ. "Todas as sessões de julgamento, virtuais e/ou por videoconferência, estão suspensas ou canceladas até restabelecida a segurança do tráfego de dados nos nossos sistemas."

Ainda segundo a nota, todos os usuários do sistema interno da corte foram orientados a não usar os computadores conectados à rede do tribunal, até que a segurança de preservação dos dados esteja restabelecida.

Caso de Lula é adiado pela 2ª semana seguida

Estava marcada para a sessão ontem, da Quinta Turma do STJ, a análise do recurso apresentado pela defesa de Lula pedindo mudança no regime inicial de cumprimento da pena, além da redução do valor mínimo de indenização imposto pela condenação. Também seriam julgados embargos de declaração apresentados pelo MPF (Ministério Púbico Federal).

Por causa do ataque, porém, esse e outros julgamentos foram interrompidos. Todos estavam ocorrendo por videoconferência, por causa da pandemia do novo coronavírus.

Na semana passada, o julgamento do caso de Lula já havia sido retirado de pauta, por decisão do relator do processo, ministro Felix Fischer.

Política