PUBLICIDADE
Topo

Política

Conteúdo publicado há
5 meses

Tomás Covas relata último dia com pai: 'Falamos para ele ir tranquilo'

Bruno Covas (PSDB) posa ao lado do filho Tomás Covas após deixar UTI do Hospital Síro-Libanês, em São Paulo - Reprodução/Instagram
Bruno Covas (PSDB) posa ao lado do filho Tomás Covas após deixar UTI do Hospital Síro-Libanês, em São Paulo Imagem: Reprodução/Instagram

Do UOL, em São Paulo

23/05/2021 21h55Atualizada em 24/05/2021 11h52

Tomás Covas, 15, filho do ex-prefeito de São Paulo, Bruno Covas (PSDB), disse que ficou ao lado do pai no dia da morte, em 16 de maio. Em entrevista ao Fantástico, Tomás compartilhou a sensação que teve naquela manhã: "Ele esperou eu aceitar e conversar com ele sobre isso para ir tranquilo".

Bruno Covas morreu aos 41 anos após complicações de um tumor na cárdia. Covas estava em tratamento contra o câncer que surgiu entre o esôfago e o estômago. O falecimento do gestor municipal de São Paulo ocorreu às 8h20. Ele estava internado no hospital Sírio-Libanês.

Tive a sensação de que ele esperou eu aceitar, conversar com ele sobre isso, para ele ir tranquilo. A gente ficou do lado dele, abraçou ele e falou para ele descansar.
Tomás Covas, filho do ex-prefeito Bruno Covas

Tomás negou a informação de que o pai estava abatido e chorando na última semana de vida. "O clima do hospital era completamente diferente. Ele foi muito guerreiro, batalhou muito. A gente sentia a vontade que ele tinha, o sorriso no rosto do dia a dia."

Tomás relata que só viu o pai chorar uma vez. "Estava só eu e ele no quarto. Foi quando ele teve que se licenciar [da prefeitura]. Eu falei que ia dar tudo certo, que a gente ia vencer." Ele também compartilha a última conversa que teve com o pai: "Fui a última pessoa que conversou com ele consciente. Não fazia a menor ideia de que seria a última conversa. Foi breve. 'Boa sorte na prova'."

Após o episódio, Bruno Covas sofreu uma piora no estado de saúde e precisou ser sedado.

No dia seguinte, quando vi ele sedado, foi muito forte, fiquei muito mal. Depois de 1 hora tentei ficar mais tranquilo. Voltei e fiquei 100% do tempo ao lado dele.

Ao Fantástico, Tomás ainda relembrou o dia que assistiu um jogo do Santos com o pai no estádio durante a pandemia. "Cheguei a conversar com o médico dele e ele falou que não foi por acaso. Ele sabia os riscos da imprensa, etc, mas foi por coração. Ele tinha esse desejo de me levar numa final de Libertadores."

Morre Bruno Covas, prefeito de São Paulo; veja imagens da carreira política

Política