PUBLICIDADE
Topo

Política

Conteúdo publicado há
2 meses

Dono da Precisa movimentou 80 vezes mais do que declarou ao IR, diz jornal

Francisco Maximiano teria movimentado 80 vezes mais do que o valor declarado, segundo jornal - Pedro França/Pedro França/Agência Senado
Francisco Maximiano teria movimentado 80 vezes mais do que o valor declarado, segundo jornal Imagem: Pedro França/Pedro França/Agência Senado

Colaboração para o UOL, em São Paulo

27/07/2021 14h25Atualizada em 27/07/2021 18h25

Uma análise feita pela Receita Federal e obtida pelo jornal O Globo mostrou que os ganhos financeiros de Francisco Maximiano, dono da Precisa Medicamentos, foram incompatíveis com os rendimentos declarados por ele no Imposto de Renda de 2020.

A Precisa é investigada na CPI da Covid por suspeitas de irregularidades na negociação de venda da vacina Covaxin ao Ministério da Saúde, contrato hoje suspenso.

Segundo o jornal, a análise da Receita Federal teria sido entregue à CPI e informaria que, em 2020, "a movimentação financeira [de Maximiano] no período em análise é superior aos rendimentos totais líquidos".

Houve, segundo o veículo, movimentação de R$ 3,9 milhões em 2020 na conta de Maximiano, valor 80 vezes maior que os R$ 48,5 mil líquidos que o empresário declarou receber naquele ano da Global Gestão Saúde, empresa do grupo da Precisa, única fonte declarada por ele no IR.

Segundo o Globo, a análise apontou incongruências como o gasto de R$ 391 mil com cartão de crédito, incompatível com o rendimento formal. Além disso, empresas, aplicações financeiras e saques de aplicações também não teriam sido declarados no imposto.

Embora só tenha citado rendimentos da Global Saúde, Maximiano tem participação em cinco empresas, segundo a Receita: Frasdec Assessoria Consultoria, 6M Participações, Primares Holding Participações, Precisa Medicamentos e BSF Gestão Saúde (ou Global Gestão em Saúde).

Procurado pelo Globo, Maximiano se manifestou por meio da assessoria da Precisa Medicamentos. "Causa perplexidade o vazamento de informações fiscais sigilosas no âmbito da CPI. Não obstante, a defesa ressalta que as diferenças nos dados enviados aos Fisco já foram sanadas junto à Receita Federal", disse a empresa em nota.

Política